Usuários pedem soltura dos responsáveis pelo Mega Filmes HD

Por Redação | 19 de Novembro de 2015 às 11h45

Citado como um dos maiores sites piratas de filmes da América Latina, é claro que o iminente fechamento do Mega Filmes HD vai impactar muitos brasileiros. Os internautas não reagiram bem à notícia de que um casal de Sorocaba, responsável pela operação do serviço, havia sido preso nesta quarta-feira (18) e, agora, apoiam em peso uma petição do Partido Pirata para que eles sejam liberados.

Com mais de 5,6 mil assinaturas no momento da produção deste texto, a organização pede que a dupla seja libertada em prol do “livre compartilhamento de cultura e informação”. Além disso, critica politicamente o fato de que permanecem soltos o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, apontado como envolvido em desvio de dinheiro, e os responsáveis pela empresa Samarco após o desastre no interior de Minas Gerais.

Além disso, citam o Mega Filmes HD como “democratizador da cultura” em um “país rico em que o povo é pobre e paga por uma internet, televisão a cabo e cinema caros”. Alegando que a prisão do casal é desproporcional à violação de direitos autorais apontada pela Polícia Federal, o Partido Pirata deseja alcançar 7,5 mil assinaturas e entrega-las à Presidência da República, Ministério da Justiça e PF.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Como parte da operação Barba Negra, um casal da cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo, foi preso e apontado como os principais administradores do site Mega Filmes HD. Os dois, e mais cinco pessoas que foram levadas à delegacia apenas para prestarem esclarecimento, responderão pelos crimes de violação de direitos autorais e organização criminosa, com penas que podem variar de dois a 15 anos de prisão.

De acordo com a Polícia Federal, o Mega Filmes HD é o maior site de pirataria da América Latina, tendo registrado mais de 60 milhões de acessos durante o primeiro semestre de 2015. As autoridades afirmam também que as receitas com publicidade do serviço geravam cerca de R$ 70 mil por mês para os indiciados, uma vez que os usuários eram obrigados a clicar em diversos anúncios antes de acessarem, sem pagar, os filmes e séries desejados.

Fonte: Avaaz

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.