Microsoft quer que dispositivos de realidade virtual trabalhem juntos

Por Redação | em 01.06.2016 às 14h47 - atualizado em 01.06.2016 às 15h13

HoloLens

A Microsoft tem um plano bastante ambicioso para a chegada das tecnologias de realidade aumentada e virtual. E não, não estamos falando apenas do HoloLens, seu dispositivo próprio voltado para isso. No palco da Computex, a empresa revelou seu ideal de aparelhos que conversem entre si, mesmo com fabricantes diferentes, e anunciou sua plataforma Windows Holographic para garantir isso.

O ideal é "simples": criar um sistema agnóstico (baseado, claro, no Windows 10), onde diferentes desenvolvedores possam trabalhar em aplicações unificadas para dispositivos de realidade virtual ou aumentada, independente de como eles funcionam ou de quem os fabricou. No evento, a empresa exibiu um trabalho colaborativo entre dois usuários em um modelo virtual de motocicleta, com um deles usando o HoloLens e outro portando um HTC Vive.

É o que a Microsoft chama de “realidade misturada”, uma nomenclatura que, em português, fica bem menos glamourosa que o original em inglês, “mixed reality”. O conceito, também chamado internamente pelo ainda mais bizarro “virtualidade aumentada”, surgiu da noção de que, até 2020, serão mais de 80 milhões de dispositivos dessa categoria em utilização no mundo todo, um potencial que, na visão da empresa, não deveria ser fragmentado entre plataformas.

Os números, inclusive, são ousados. Especialistas de mercado do IDC, por exemplo, apontam para um total bem menor, de 64,8 milhões de aparelhos de realidade virtual ou aumentada vendidos pelos próximos quatro anos. A estimativa da Microsoft, entretanto, pode trazer consigo duas noções: a de que os aparelhos do tipo terão uma queda monumental de preço, o que hoje é um de seus principais obstáculos até a adoção em massa; e a esperança de que o HoloLens, que representa algo diferente dos concorrentes Rift, Vive e PlayStation VR, por exemplo, seja um sucesso monumental justamente por esse motivo.

A plataforma Windows Holographic, inclusive, seria mais uma maneira de experimentar, com os desenvolvedores pensando em novas iterações com a tecnologia que possam, no futuro, abranger uma versão do HoloLens voltada aos consumidores. Apesar de ter feito dessa tecnologia o ponto central de sua participação na Computex, a Microsoft evitou falar sobre datas ou preços para seu aparelho, sugerindo apenas que o uso de sua proposta de integração permitirá que os parceiros participem de forma ainda mais ativa de seu desenvolvimento e lançamento.

Fonte: CNET

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome