Ativismo nas redes sociais pode ter determinado saída do Reino Unido da UE

Por Carlos Ferreira RSS | em 26.06.2016 às 12h15

Reino Unido

Conforme apontou o periódico The New York Times, o resultado do referendo que determinou a saída do Reino Unido da União Europeia dificilmente seria uma questão de uma só faceta. Há, afinal, um embate claro entre gerações, e também não se pode excluir um panorama econômico delicado – e nem a forma bastante particular como parte da população encara a imigração. Não obstante, um fator parece ter sido determinante para os desdobramentos: o Facebook.

Não apenas o Facebook, é verdade, mas também o Instagram, o Twitter e, de forma geral, as redes sociais. Afinal, segundo dados da companhia de pesquisas eMarketer, 33 milhões de pessoas utilizam o Facebook no Reino Unido todo mês. É natural que boa parte do burburinho – e das inclinações sociais – tenham se moldado e se solidificado ali, portanto.

A questão colocada pelo The New York Times, entretanto, vai além da simples busca de um reflexo virtual do que foi visto nas urnas. Quer dizer, para além dos números, será que a ação dos grupos “pró” e “contra” a permanência do Reino Unido na União Europeia não teria sido tão (ou mais) determinante para o parecer favorável ao “Brexit”?

Brexit

Mais páginas dedicadas

Embora destaquem certa superioridade numérica no grupo pró Brexit, os dados prospectados pelo NY Times sugerem que o grupo também conduziu uma campanha muito mais atuante – e até insistente - ao longo dos últimos meses, em comparação com os defensores da permanência do estado na União Europeia.

Conforme dados da analista parceira do Facebook, a CrowdTangle, durante os 30 dias que precederam a votação do referendo, sete das 20 páginas dedicadas à questão com maior movimentação eram de grupos a favor da separação. E nisso se incluem até mesmo as duas páginas mais movimentadas durante o período.

Juntas, essas sete páginas produziram mais de 1,3 milhão de interações - comentários, “curtidas” e compartilhamentos em postagens. Apenas duas páginas da lista estavam claramente associadas a campanhas pela permanência do Reino Unido na UE, e ambas somando apenas algo em torno de 150 mil interações durante o período.

Brexit

E a busca pelo termo “Brexit” – palavra-valise formada pela fusão de “Britain” (Grã-Bretanha) e “Exit” (Saída) – também apresentou resultado semelhante. Outra páginas arroladas mostraram ainda sites noticiosos dedicados à cobertura do referendo e também colunas de opinião.

Maior movimentação

Uma análise de dois adversários particularmente representativos do embate relacionado ao referendo também mostra a diferença considerável de postura entre apoiadores e detratores da permanência do Reino Unido na União Europeia. Talvez o ponto mais relevante seja: nas proximidades da votação, não havia uma discrepância tão grande entre os seguidores das duas páginas.

De fato, um dia após a votação, na sexta-feira (24 de junho), a página Britain Stronger in Europe, abertamente a favor da permanência do na EU, passava de 558 mil seguidores. Já a Leave.EU, a favor da separação, chegava aos 767 mil – quantia não tão discrepante quanto o desfecho do referendo poderia fazer crer.

Novamente, entretanto, surge a questão do engajamento dos proponentes de uma e outra direção política – ou, em outros termos, o quanto cada abordagem do tema gerou conversações, comentários e novas postagens dentro das redes sociais.

Brexit

Durante os seis meses que antecederam a votação, as postagens pró-permanência somaram 3,3 interações – enquanto as contra chegaram a 11 milhões, mais do que o triplo. “Entre os grupos do ‘deixar [a EU]’ a mensagem calou mais fortemente e se espalhou mais no Facebook, por uma larga margem”, coloca John Herrman em seu texto para o New York Times.

Instagram e Twitter

Mas nem tudo se resume ao Facebook, embora a tendência permaneça. Durante o período que precedeu a votação do referendo, o pesquisador do Oxford Internet Institute, Vyacheslav Polonski, monitorou as campanhas relacionadas ao Brexit no Instagram. Polonski analisou as atividades de mais de 15 mil usuários engajados em discussões associadas ao tema.

“Nós percebemos que os céticos em relação à União Europeia e os apoiadores do Brexit predominaram nos debates e também utilizaram suas contas no Instagram de forma mais efetiva, mobilizando as pessoas através do país”, escreveu ele no periódico acadêmico The Conversation. “Eles tendem a ser mais passionais, ativos e determinados em seu comportamento online”, ele continua, acrescentando que o grupo pró-separação produziram “quase cinco vezes mais” postagens do que seus adversários políticos.

União Europeia

Também as análises de postagens no Twitter levadas a cabo pela Talkwalker mostraram utilização maior de hashtags relacionadas à saída do Reino Unido da UE, sobretudo durante o mês de maio. Com a proximidade das votações, entretanto, as coisas tenderam a se equilibrar e, nos dias finais, havia maior utilização de marcadores associados à permanência do estado.

O meio é a mensagem

Enfim, a despeito do reflexo numérico expressivo dos resultados nas urnas, as campanhas virtuais conduzidas no calor do embate político parecem deixar claro que as redes sociais jamais poderiam ser apenas agentes passivos – por meio dos quais alguém poderia perceber a intenção do público de forma pura.

“O meio é a mensagem”, como foi dito por Marshall McLuhan, muito antes do advento das redes sociais – e mesmo da internet. Senão, tente se manter impassível diante de frases como “Compartilhe se você se importa” ou “Assegure-se de votar agora, antes que seja tarde” – ambas frases utilizadas pelos defensores da separação do Reino Unido.

Curtida

Fontes: New York Times, The Conversation.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome