Nova onda de ataques hackers já está em andamento, alertam especialistas

Por Redação | em 17.05.2017 às 10h58 - atualizado em 17.05.2017 às 11h26

Hacker

O mundo ainda está em alerta desde a proliferação massiva do WannaCrypt, na última sexta-feira (12). Entretanto, especialistas de segurança alertam para uma segunda campanha de infecção online, mais grave e complexa do que a anterior, que estaria em pleno andamento, apesar de sua forma mais sorrateira e discreta de infecção e execução.

A nova praga, chamada Adylkuzz, usaria os mesmos métodos do WannaCrypt, entretanto com foco na instalação de mineradores de criptomoedas nos computadores infectados. Os fundos obtidos, claro, vão para uma conta controlada pelos hackers, enquanto o usuário atingido não percebe que foi alvo, a não ser por uma queda brusca na performance do computador e de sua velocidade de internet.

Como a nova onda também tem as empresas como alvo, servidores corporativos podem estar servindo para os mesmos fins, o que acaba dificultando ainda mais a identificação da praga. A campanha de ataques teria começado antes mesmo do surgimento do WannaCrypt, com especialistas citando o dia 24 de abril como data de início da operação, com proliferação cada vez mais veloz na medida em que mais máquinas vão sendo comprometidas.

O Adylkuzz utilizaria as mesmas portas abertas que o WannaCrypt utilizou para se instalar no computador. Os especialistas, entretanto, argumentam que a nova praga pode, até mesmo, ter ajudado a impedir que o ransomware da semana passada se espalhasse, pois, ao infectar uma máquina, ela fecha eventuais brechas para evitar que mais malwares se alojem no sistema.

Descoberta

A descoberta foi feita pela empresa especializada em segurança digital Proofpoint e veio como uma surpresa para seus analistas. Ao exporem uma máquina virtual em uma rede infectada, para observar como o WannaCrypt se comportava, os especialistas perceberam que outra praga, mais discreta, acabou tomando conta do equipamento. O malware de mineração de moedas virtuais se instalou de forma sorrateira e chegou a impedir a infecção pelo ransomware, sem qualquer reflexo visível para o usuário em suas primeiras horas de operação.

Como forma de atrapalhar ainda mais uma investigação e esconder os seus rastros, os hackers preferiram trabalhar com formas mais obscuras de criptomoedas. Sendo assim, saem as populares Bitcoins para entrada do Monero, um sistema que, inclusive, vem sendo citado por autoridades como a nova opção de criminosos para compra de drogas, cartões de crédito clonados e vulnerabilidades no mercado negro, justamente por conta de seu caráter mais obscuro.

De acordo com a Proofpoint, os hackers teriam obtido mais de US$ 22 mil em moedas virtuais apenas em uma das contas já identificadas como parte dos ataques. Também para evitar rastreamento, as carteiras virtuais associadas são modificadas periodicamente, com valores menores sendo transferidos para contas bancárias de forma a evitar suspeitas.

Como o método de infecção é o mesmo do WannaCrypt, as medidas de proteção também são idênticas. Para se proteger, basta manter o Windows atualizado, tanto em servidores quanto computadores domésticos, uma vez que a Microsoft já liberou updates que fecham as portas que permitem a infecção.

A medida, entretanto, não muda a situação de quem já foi infectado. A indicação, no caso do Adylkuzz, é observar quedas repentinas de performance no computador, e, caso isso seja identificado, buscar ajuda especializada.

Fonte: Proofpoint

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome