Falha no Chrome e Firefox permite ataque phishing quase impossível de detectar

Por Redação | em 18.04.2017 às 09h32

Os ataques de phising não são nenhuma novidade. Sites e serviços falsos que se passam por outros para enganar usuários desavisados existem aos montes, mas você mal se preocupa com isso porque o seu navegador muito provavelmente faz o trabalho de filtrar e avisar caso você esteja prestes a entrar em uma página suspeita. No entanto, como agir quando a ameaça consegue driblar até mesmo esses sistemas de segurança? Pois é exatamente isso o que uma nova ameaça vem fazendo.

De acordo com uma empresa chinesa de pesquisa em segurança digital, há um novo ataque de phishing circulando pela internet que é praticamente impossível de ser detectado até mesmo por quem já está habituado a conferir a autenticidade dos sites que acessa. Segundo o alerta emitido pela companhia, há uma vulnerabilidade presente nos principais navegadores do mercado — Chrome, Firefox e Opera — que pode ser utilizada por hackers para enganar os usuários.

Assim, eles conseguem exibir falsos domínios como se fossem sites legítimos. Com isso, eles podem se passar por sites que você acessa todo dia, como Google, Facebook ou mesmo a loja da Amazon para roubar desde informações de acesso, como seu nome de usuário e senha, até dados pessoais e informações financeiras. Sem que você perceba, o número de seus documentos ou de seu cartão de crédito pode ser roubado quando você acreditava estar navegando em um ambiente seguro.

O que realmente chama a atenção nessa falha é que ela dribla até mesmo os mecanismos que geralmente utilizamos para identificar um phishing tradicional. Exemplo disso é que a empresa de segurança disponibilizou uma página de demonstração com o endereço real da Apple, mas cujo conteúdo não corresponde ao site da companhia. Isso porque essas informações estão sendo enviadas de outro servidor. A ideia é servir como um teste: se você acessar o link e visualizar um aviso ao invés do ver os produtos da Maçã, pode ter certeza de que seu navegador é vulnerável a esse novo golpe.

Falha faz com que você visualize endereço conhecido, mas com conteúdo falso

E o modo com que esses truques são feitos é bastante engenhoso. Eles se utilizam de caracteres Unicode, ou seja, letras de outros alfabetos que acabam sendo representados da mesma maneira que a gente costuma usar na maior parte do mundo. Isso porque os navegadores fazem uma conversão para tratar tudo da mesma forma na exibição, embora continue considerando os caracteres diferentes. Em outras palavras, ele vai mostrar o A cirílico e o A românico da mesma forma — “a” —, mas vai considerá-los diferentes na hora de gerar o endereço. E isso confunde diretamente o usuário, que acha que se trata tudo da mesma coisa.

Assim, o que os hackers fazem é inserir caracteres de vários idiomas para confundir o sistema e criar uma brecha. Como tudo isso vai ser convertido em um código universal, eles driblam a lógica dos navegadores para fazer com que essa salada linguística exiba o endereço que eles querem. É assim que eles conseguem registrar domínios que, para você, vai aparecer como se fosse apple.com, google.com ou qualquer outra página aparentemente de confiança.

Como dito, até o momento os pesquisadores identificaram o problema somente no Chrome, Firefox e Opera — também conhecidos como os programas mais utilizados para navegação. Enquanto isso, Internet Explorer, Microsoft Edge, Safari, Brave e Vivaldi seguem invulneráveis a esse truque.

Como se prevenir

Infelizmente, não tem muito o que os usuários possam fazer para contornar a situação, já que depende muito mais de uma solução apresentada pelas empresas do que ações que você possa fazer em casa. O Google, por exemplo, já está trabalhando em atualizações que corrigem o problema e a previsão é que o update seja liberado para o grande público até o fim deste mês. Já a Mozilla segue em discussão sobre o que fazer.

No caso dos usuários do Firefox, há uma saída paliativa para amenizar o problema. Para isso, basta digitar about:config na barra de endereços e confirmar. Em seguida, pesquise por Punycode na área de busca. Isso vai fazer com que somente um parâmetro seja exibido — network.IDN_show_punycode. Clique com o botão direito do mouse sobre ele e selecione a opção Inverter Valor, fazendo com que ele faça a substituição automática e desative a conversão automático desses códigos.

Via: The Hacker News

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome