Cabo submarino que liga Brasil e Espanha estará pronto até 2019

Por Redação | em 25.04.2017 às 12h35

Cabo submarino

O Brasil e a Espanha terão um cabo submarino no Oceano Atlântico que ligará os dois países. O objetivo é oferecer serviços online e em nuvem rápidos para os cidadãos de ambas as nações. A conclusão das obras está prevista para até 2019.

O cabo submarino terá 9,2 mil km de extensão. Com potencial de transferir dados a 72 terabytes por segundo, terá cerca de sete vezes a capacidade de comunicação existente entre a América Latina e o resto do mundo, disse Alfonso Gajate, presidente da EulaLink, um dos parceiros no negócio. Atualmente, a única ligação direta entre a Europa e a América do Sul é um cabo de cobre de 20 Gigabytes instalado em 1999 por um consórcio de operadores de telefonia.

De acordo com as autoridades brasileira e espanhola, o cabo submarino EllaLink conectará data centers em Madri e São Paulo, assim como em Lisboa, usando anéis de fibra blindada. Ao longo da rota, o cabo também ligará os arquipélagos da Madeira, as Ilhas Canárias da Espanha e Cabo Verde da África.

Durante evento em São Paulo, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, disse que a obra para construir o primeiro cabo submarino de fibra óptica ligando Europa ao Brasil deve ajudar a melhorar a segurança e a privacidade dos dados, por redirecionar as chamadas e navegação pela internet para longe do alcance dos Estados Unidos.

A ideia ganhou força quase quatro anos após a ex-presidenta Dilma Rousseff e outros autoridades terem sido alvos de espionagem pessoal e econômica pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA). Em setembro de 2013, o ex-técnico da entidade, Edward Snowden, divulgou documentos que mostraram que a NSA havia espionado os telefonemas de Dilma e seus assessores e de milhões de brasileiros.

Na época, o jornalista britânico Glenn Greenwald, que mora no Rio de Janeiro, apresentou provas de que a agência monitorou conversas da presidenta com o objetivo de "melhorar a compreensão dos métodos de comunicação e dos interlocutores de Dilma Rousseff e seus principais assessores". Por conta disso, Dilma até cancelou uma viagem que faria aos EUA cerca de um mês depois, alegando que "as práticas ilegais de interceptação das comunicações e dados de cidadãos, empresas e membros do governo brasileiro constituem fato grave, atentatório à soberania nacional e aos direitos individuais, e incompatível com a convivência democrática entre países amigos".

Fonte: Reuters

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome