Atualização do Google deixa imagens do Earth e do Maps muito mais nítidas

Por Redação | em 01.07.2016 às 13h42

Novo Google Maps

O Google Maps ganhou imagens muito mais nítidas e cristalinas da superfície da Terra. À primeira vista, pode parecer só uma mudança de qualidade, e o usuário pode até pensar que se trata apenas da produção de novas fotos. Mas por trás dos monitores está um trabalho hercúleo que envolveu mais de 1.000 TBs de dados, 700 bilhões de pixels individuais e 43 mil computadores, que juntos acumularam mais de seis milhões de horas de processamento de imagens. 

Muito disso se deve à forma como o Google dispõe as imagens em seu serviço. De forma que o usuário possa observar a superfície da Terra de forma única, várias fotografias são tiradas pelos satélites e combinadas pelos computadores na forma de um mosaico. As máquinas escolhem as melhores imagens – retirando aspectos como nuvens e optando pelos momentos em que o Sol incide diretamente sobre o plano –, realiza trabalhos de otimização e corte, entregando o resultado que vemos quando acessamos as plataformas Earth ou Maps.

Novo Google Maps

A atualização também corrige um erro antigo, que era uma pedra no sapato dos engenheiros do Google há mais de dez anos. O satélite anterior usado para a produção das fotos, o Landsat 7, continha um bug que, em algumas situações, gerava linhas diagonais sobre as imagens, que quando colocadas sobre as fotos, davam a impressão da existência de relevos ou formações que não existem na realidade. O novo equipamento, Landsat 8, consegue captar o dobro de imagens de seu antecessor, sem as falhas e em melhor qualidade, orbitando a Terra a cada 16 dias e mandando informações sem parar.

O uso dos satélites é uma parceria entre o Google, a NASA e o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês). De acordo com a empresa, todos estão comprometidos com a computação aberta e permitem o uso livre de seus dados. Apesar de o Maps ser a única plataforma a apresentar as imagens em forma de atlas, elas estão disponíveis livremente para quem quiser utilizá-las.

Enquanto isso, o trabalho continua, e na medida em que o Landsat 8 envia mais imagens para a Terra, os computadores da gigante continuam trabalhando para determinar as melhores fotografias de todas as partes do globo. A ideia é refletir as mudanças geológicas e de paisagem que acontecem no planeta, além de entregar uma ferramenta confiável para pesquisas, estudos ou, simplesmente, localização e rotas.

Fonte: Google Maps Blog

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome