Zuckerberg: sensacionalismo no Facebook não influenciou eleições

Por Redação | em 11.11.2016 às 16h18

Após a eleição presidencial de Donald Trump esta semana, muitas questões foram levantadas sobre a influência de notícias errôneas divulgadas via Facebook na escolha dos votantes. Entretanto, o CEO da companhia, Mark Zuckerberg não acredita que o sensacionalismo em sua rede social seja um fator assim tão decisivo.

“Eu acredito que a ideia na qual notícias falsas no Facebook - que são uma parcela bastante pequena do conteúdo - tenham influenciado as eleições é uma ideia bastante maluca", afirmou o executivo em uma conferência realizada nesta quinta-feira (10), em Half Moon Bay, na Califórnia.

Segundo Zuckerberg, rumores e mentiras sempre circularam na Internet, dentro e fora do Facebook, mas a sua companhia faz o melhor para que os usuários denunciem elas, para "poder mostrar às pessoas o conteúdo mais significativo".

Para o dono da rede social, muitos eleitores insatisfeitos com a eleição de Trump estão buscando motivos para a inesperada vitória do republicano - e culpar a propagação de conteúdos políticos via redes sociais como o Facebook é um destes caminhos.

“Creio que há uma certa e profunda falta de empatia em supor que a principal razão pela qual uma pessoa votou em quem votou porque ela leu notícias falsas", disparou o bilionário.

Ainda assim, analistas reconhecem como o Facebook é uma das ferramentas mais poderosas atualmente para a propagação de conteúdos, entretanto diversas críticas são direcionadas ao algoritmo da rede, que por se ajustar às opiniões e gostos do usuário, pode se tornar uma espécie de "câmara de eco": ou seja, quem era pró-Trump era propenso a ler mais conteúdos a favor do seu candidato, podendo inclusive ser submetido a informações falsas.

A empresa anunciou esta semana que levará ainda mais a sério o seu compromisso de não espalhar informações erradas para seus usuários. A declaração foi de Adam Mosseri, VP de gerenciamento de produtos do Facebook, apontando que a companhia está trabalhando para filtrar ainda mais os conteúdos falsos na plataforma, afirmando que "ainda há muito para fazer".

Segundo Mosseri, o algoritmo do Facebook tem a capacidade de detectar diversos sinais baseados no feedback dos usuários, determinando os que contém informações falsas, reduzindo a sua capacidade de propagação.

"Nós observamos uma variedade de sinais para garantir que os tópicos sendo mostrados reflitam os acontecimentos do mundo real, e tomamos medidas adicionais para prevenir que conteúdos falsos ou tendenciosos apareçam", completou Mosseri.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome