Microsoft e Amazon se unem contra veto de Trump a imigrantes nos EUA

Por Redação | em 31.01.2017 às 11h47

Microsoft

Empresas de tecnologia estão unindo forças com o governo do Estado de Washington para lutar contra a recente Ordem Executiva assinada na última sexta-feira (29) pelo presidente Donald Trump, que impede a entrada de imigrantes legais de sete países de maioria muçulmana nos Estados Unidos.

Até agora, Microsoft, Amazon e Expedia se juntaram ao procurador-geral de Washington, Bob Ferguson, que entrou com uma ação judicial para barrar o decreto de Trump. A Microsoft se juntou ao processo oferecendo informações que possam validar sua necessidade e se prontificou a testemunhar de forma favorável caso seja necessário.

Tanto a Amazon quanto a Expedia também estão preparando declarações que demonstram o impacto negativo da ordem em seus negócios. Em um e-mail para funcionários, o CEO da Amazon, Jeff Bezos, escreveu que a equipe jurídica da empresa "preparou uma declaração de apoio ao Procurador-Geral do Estado de Washington, que irá processar a ordem". Eles estão considerando outras opções legais, também. A Expedia não divulgou publicamente sua declaração, mas Ferguson citou a ajuda da empresa em um comunicado à imprensa.

O processo tentará provar que a proibição da imigração é inconstitucional e que as ações que ela estimula são "separar as famílias, prejudicar milhares de moradores, prejudicar a economia e as empresas de Washington, além de minar o interesse soberano do Estado em permanecer um lugar de acolhimento para imigrantes e refugiados".

Fonte: (Via) The Verge

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome