Nova teoria sobre campos magnéticos pode ajudar a entender tempestades solares

Por Redação | em 28.11.2016 às 20h14

aurora boreal

Pesquisadores do Departamento de Energia dos Estados Unidos e da Universidade de Princeton desenvolveram uma nova teoria sobre o plasma que pode auxiliar os cientistas a descobrir mais sobre erupções solares e energia de fusão, e a escreveram em um artigo científico. A maioria das pesquisas a esse respeito tem foco em reatores de "confinamento magnético", que usam ímãs poderosíssimos para fundir plasma de hidrogênio em hélio. Um dos maiores problemas a respeito desta técnica é que o próprio plasma gera novos campos magnéticos, que causam estragos nas reações. 

O plasma é a fase da matéria que gera energia para as conhecidas luzes de neon, sendo também o  combustível natural que alimenta os raios durante as tempestades. O material geralmente contém partículas carregadas que geram campos magnéticos. Estes campos podem se quebrar em um processo conhecido como reconexão magnética. É isso que causa tempestades solares e de raios cósmicos, além das conhecidas auroras boreais. No entanto, existe algo que desafia as leis da física, que não conseguem explicar por que motivo os campos se partem e se reconectam tão rapidamente. 

A reconexão magnética é algo intrigante que ocorre dentro dos reatores de confinamento conhecidos como Tokamak. Quando os campos criados pelo plasma mudam rapidamente de direção, eles podem quebrar os campos externos, mantendo o plasma em posição, e assim reduzindo as forças que seriam necessárias para sustentar a reação. 

Para resolver essa questão, os pesquisadores examinaram algo chamado de "instabilidade plasmoide", o que faz com que folhas magnéticas bidimensionais se contraiam em "ilhas" bem menores. Uma vez quem uma destas folhas se quebra em determinado ponto, a instabilidade plasmoide ocorre em um curto período de tempo, levando a um crescimento explosivo de plasmoides. Isso força os campos a reassumirem sua forma, porém em uma orientação diferente, causando como resultado as faíscas solares e outros fenômenos parecidos. 

Os cientistas ainda não têm certeza do real motivo que levaria à formação das ilhas, já que isso parece desafiar as leis da física. No entanto, o trabalho abre caminho para que mais cientistas possam estudar e prever tempestades solares e de raios gama, bem como outros tipos de atividades cósmicas ou mesmo atmosféricas violentas. Mais importante que isso, a descoberta pode levar a um melhor entendimento dos campos magnéticos causados por plasma no interior de reatores Tokamak. Se já é possível ter uma ideia do que ocorre nestes reatores, podemos resolver a maioria dos problemas relacionados a energia que ocorrem em nosso planeta. 

Via Engadget

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome