Jovem é estuprada e crime é transmitido ao vivo no Facebook, que nada fez

Por Sérgio Oliveira RSS | em 25.01.2017 às 13h03 - atualizado em 25.01.2017 às 13h25

Estupro

O último domingo (22) foi um dia de terror para uma jovem moradora da cidade universitária sueca de Uppsala, localizada a 70 km da capital Estocolmo. Três homens a sequestraram e estupraram, e, como se isso não fosse suficiente, transmitiram tudo ao vivo no Facebook.

Segundo informações do New York Times, a live foi feita para um grupo fechado da rede social, o que não impediu que centenas de pessoas assistissem à cena de terror. Entre uma agressão e outra, os criminosos faziam chacota da situação e exibiam armas com largos sorrisos no rosto.

O ato de violência, que não tinha nada de engraçado, só teve fim após três horas, quando Josefine Lundgren acessou o site, viu a transmissão e resolveu ligar para a polícia. Rapidamente as autoridades rastrearam o local onde o estupro e a live estavam sendo feitos, resgataram a jovem e prenderam os calhordas.

Investigadores criminais agora fazem perícia na residência onde o terror aconteceu para poderem emitir um parecer explicando tudo o que aconteceu.

"A polícia e a promotoria têm acesso a algumas imagens e alguns trechos de vídeo, mas ainda não temos o vídeo completo mostrando o estupro em si", disse o defensor público Magnus Berggren ao jornal Expressen. "Estamos reunindo evidências e entrevistando os envolvidos. Já falamos com algumas pessoas e mais outras serão entrevistadas". Somente após a conclusão desse procedimento é que será determinado pelo que os criminosos de 18, 20 e 24 anos responderão. Mesmo assim, é muito provável que eles tenham de responder por sequestro, cárcere privado e estupro.

Estupradores aparecem rindo e mostrando armas ao mesmo tempo em que a jovem é violentada na cama. Crime foi transmitido ao vivo no Facebook Live
Estupradores aparecem rindo e mostrando armas ao mesmo tempo em que a jovem é violentada na cama. Crime foi transmitido ao vivo no Facebook Live (Reprodução: Capricho)

O mais interessante desse caso -- se é que dá para dizer que há algo interessante nisso -- é a ineficiência do Facebook para impedir transmissões desse tipo. O que é de se estranhar, principalmente tendo em vista que a rede social é conhecida por "confundir" imagens do cotidiano e artísticas com pornografia, retirando-as do ar sem qualquer explicação.

"Esse é um crime horrível e nós não toleramos esse tipo de conteúdo no Facebook", disse uma porta-voz do Facebook. "Se alguém violar as regras da nossa comunidade utilizando o Facebook Live, nós iremos interromper essas transmissões o mais rápido que pudermos e assim que elas forem denunciadas", completou.

Aparentemente o "mais rápido possível" do Facebook não é tão rápido assim. Afinal de contas o estupro foi transmitido por três horas ininterruptas e, segundo o NYT, várias denúncias foram feitas nesse período. Claro que agora, três dias após o crime, o vídeo foi retirado do ar, mas não podemos deixar de pensar que ou há algo de muito errado no processamento dessas denúncias ou o Facebook simplesmente foi omisso nisso tudo.

Leia também: 

Fonte: New York Times, Expressen, Departamento de Polícia de Uppsala

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome