O que você precisa saber o Hybrx A1160, laptop que custa apenas US$ 69

Por Pedro Cipoli | 05 de Julho de 2016 às 23h30

Hoje vamos falar de um notebook superacessível. Sua proposta? Oferecer um laptop acessível o suficiente para que todos possam comprar. Seu sistema operacional? O Remix OS, uma versão do Android criada especificamente para uma experiência de uso com teclado e mouse. Quando ele estará disponível? Em setembro deste ano, para qualquer lugar do mundo. O preço? Apenas US$ 69, valor que é acessível mesmo para a conversão atual do dólar. Essa é a ideia do Hybrx A1160, da Azpen, que iniciou como uma singela campanha no Kickstarter e agora está ganhando as manchetes de todo o mundo. Então, vamos conhecer um pouco mais sobre ele nas próximas linhas.

Configurações e design

O Hybrx A1160 é, essencialmente, um smartphone dentro da embalagem de um laptop. O modelo não foi revelado, mas sabe-se que é um chip fabricado pela Allwinner com 4 núcleos rodando a 1,3 GHz baseados no Cortex-A53 (em teoria, com suporte a instruções de 64 bits, ainda que não seja estritamente necessário), 1 GB de memória RAM DDR3 e GPU Mali-400 dual-core (lembra dela?). O armazenamento padrão é de 16 GB (eMMC 5.0), mas há uma opção com 32 GB (e 2 GB de memória RAM) por US$ 20 a mais, além do suporte para cartões de até 128 GB.

Hybrx A1160

Carinha de Macbook Air, não?

Em outras palavras, é um smartphone de entrada com teclado e mouse, e ficamos até surpresos em saber que ele suporta a exibição em um segundo monitor com resolução até 4K, além de ser capaz de decodificar vídeos em 4K com o codec H.265, em especial considerando a idade da GPU. A conectividade sem fios também lembra um smartphone mais básico, contando com Wi-Fi nos padrões B, G e N, e Bluetooth 4.0. Curiosamente, o Hybrx A1160 vem até com um acelerômetro.

O design, como podemos ver na imagem acima, foi bastante inspirado no MacBook Air de 11,6 polegadas, que tem o mesmo tamanho de tela do Hybrx A1160 e resolução (1366x768), padrão de boa parte dos modelos desse tamanho (e que custam muito mais caro). O destaque fica para a Allwinner Color 2.0 Display Technology, que melhora a qualidade das cores da tela (na prática, oferece mais contraste e saturação de cor para um display comum), como é bastante comum em smartphones, que trabalham com tecnologias próprias de renderização de tela.

Qual é a proposta?

Um dos intuitos do Hybrx A1160 é ser não somente um laptop extremamente acessível para quem quer apenas um modelo barato para levar para onde quiser, mas sim apresentar um sistema operacional relativamente novo. Trata-se do Remix OS, que usa o Android x86 como base e que já exploramos em detalhes em um artigo dividido em duas partes (instalação e experiência de uso), fugindo dos três principais sistemas (Windows, Linux e Mac OS) e até mesmo do Chrome OS, que está crescendo cada vez mais nos países onde conta com uma boa quantidade de marcas (que não é caso do Brasil, que conta, basicamente, somente com o Chromebook da Samsung).

Hybrx A1160

O Remix OS embarcado, sistema baseado em Android que já chegamos a brincar aqui no Canaltech. Entra perfeitamente na proposta do Hybrx A1160: um modelo barato, com sistema gratuito e que oferece aplicativos o suficiente para a maioria dos usuários.

Chromebooks se popularizaram por serem uma alternativa simples e barata aos modelos de entrada do Windows, de forma que o Hybrx A1160 passa a ser a intensificação desse movimento, com modelos cada vez mais baratos chegando ao mercado. Esse fenômeno é a intensificação da saturação de mercado, com usuários vendo cada vez menos razões para investir centenas (ou milhares) de dólares em um produto voltado somente para tarefas básicas e que será descartado em pouco tempo.

Nessa proposta, o Hybrx A1160 cai como uma luva, sendo acessível o suficiente para que praticamente qualquer um possa comprar, ao mesmo tempo em que não vem com um sistema tão limitado, já que o Android conta com apps suficientes para a grande maioria das tarefas (nos desculpem, o Remix OS). Inclusive, ele é barato até para os padrões dos Chromebooks, que geralmente parte dos US$ 200 nos modelos mais simples, ou seja, um segmento de produto que ainda não existia (ou mesmo não era possível). Mas há alguns detalhes que não foram explicados, então quem tem interesse em comprá-lo deve ficar com um pé atrás, por enquanto.

Porém, cuidado com o hype

Há algumas informações incompletas sobre o Hybrx A1160 em que o usuário deve prestar atenção. Algumas delas são apenas detalhes, mas outras nos fazem levantar a orelha. A primeira é sobre a capacidade de bateria. No próprio anúncio oficial do Hybrx A1160 há duas informações conflitantes: uma mostrando capacidade de 6000 mAh e outra com 8000 mAh (valor impressionante para um modelo de 11,6 polegadas, diga-se de passagem). A autonomia prometida é algo entre 5 e 7 horas (padrão de muitos Chromebooks), mas a variação se refere ao tipo de uso, não à carga.

Hybrx A1160

Duas informações estranhas aqui: carregar uma bateria (para lá de generosa) em apenas uma hora e 8000 mAh, ainda mais com uma amperagem de apenas 1,5 A

Outra é sobre o carregador. A voltagem não é informada, mas há a garantia de abastecer 100% da capacidade em apenas 60 minutos. Isso com uma amperagem de 1,5 A, então motivos para questionar não faltam. Por exemplo, o notebook utilizado para escrever este artigo tem um carregador de 90 watts (19v, 4,74A), mas demora mais de duas horas para abastecer uma bateria de apenas 3800 mAh. Mesmo considerando a bateria maior (6000 mAh), é difícil acreditar que o carregador seja tão eficiente assim.

Hybrx A1160

Na ficha técnica (no mesmo site, diga-se de passagem), a capacidade informada é de 6000 mAh.

Sobre o sistema, não ficou claro qual seria a versão base do Android, se é a 5.1 Lollipop (Remix OS 2.0), ou 6.0 Marshmallow (Remix OS 3.0), sendo que este último nem anunciado foi (na data de finalização deste artigo). A Azpen garante upgrade via OTA (como acontece com o Android dos smartphones), mas é estranho ver alguns sites prometerem o Remix OS 3.0 tão cedo. E outra: será que isso vai impactar na bateria, considerando as otimizações da versão mais recente em relação à autonomia?

Por último, um questionamento em relação ao Brasil, já que as coisas aqui geralmente são bem mais complicadas do que no restante do mundo. O frete internacional é de US$ 25. Mesmo considerando o limite máximo de US$ 100 para importações nos Correios, como fica o cálculo do IOF? Somando (US$ 69 + US$ 25) + IOF, ele será taxado quando chegar aqui ou não? Não raro, produtos ficam abaixo desse limite e são taxados mesmo assim.

Conclusão

Considerando os preços recentes dos laptops no Brasil, ver um modelo por apenas US$ 69 (cerca de R$ 250) é certamente uma surpresa e tanto. Não muito tempo atrás, noticiamos a chegada de um dos modelos mais acessíveis na ASUS no Brasil, por módicos R$ 2.000, e uma das configurações mais básicas quanto possível. Já chegamos a explorar o motivo de eletrônicos, de uma forma geral, estarem tão absurdamente caros por aqui (links abaixo), mas esse é um caso particular do Brasil.

O que está acontecendo mundialmente, porém, é a diminuição do interesse em investir alto em produtos que já estão em trajetória de queda de demanda. Empresas estão enfrentando cada vez mais dificuldades em convencer os usuários a comprarem produtos mais caros, indo desde smartphones até laptops, o que explica a popularização de produtos com preços que seriam impossíveis de se imaginar há alguns anos. Outro exemplo é o Freedom 251, da Ringing Bells, que custa apenas R$ 12,50. Aliás, a empresa já prometeu criar uma TV com a mesma proposta.

Hybrx A1160

Outra questões: 30% mais performance... comparado a que? A qual chip ou modelo?

O que está acontecendo com o mercado de PCs, que passa por desacelerações contínuas ano após ano, está se propagando em praticamente todos os segmentos de produtos de tecnologia. Pessoas trocam de modelos apenas quando o anterior apresenta algum defeito e, quando isso acontece, dificilmente estão dispostos a arcar com os custos dos modelos mais caros, considerando os intermediários atuais "bons o suficiente".

Do outro lado da moeda, produtos realmente acessíveis estão se tornando cada vez mais comuns, dando a oportunidade para pessoas que nunca puderam adquirir bens a que estamos tão acostumados. Acreditamos que produtos realmente acessíveis, como o Hybrx A1160, o Freedom 251 e a Freedom TV (quando for anunciada) se tornarão cada vez mais comuns. Fica até difícil imaginar como esses mercados estarão nos próximos anos.

Fonte: página do Kickstarter do Hybrx A1160, Azpen, CNX-Software, Geeky Gadgets, Geek.com