MacBook Pro apresentou maus resultados de bateria, mas a culpa foi dos testes

Por Redação | 10.01.2017 às 16:35

No ano passado, a turma da revista/website Consumer Reports publicou resultados interessantes de testes que realizou com as baterias dos novos MacBooks Pro, variando de 3,75 a 19,5 horas de autonomia (longe da tomada). Isso fez com que muitos usuários da comunidade da Apple achassem que algo teria sido desativado no sistema para resultar em menos de 4 horas de carga ativa, ou até mesmo que fosse um bug ou erro de benchmark.

A Apple, então, resolveu entrar em contato com a Consumer Reports para averiguar o que houve, e durante o recesso de fim de ano, executou junto à equipe da revista alguns testes. Aliás, a empresa já está ouvindo reclamações dos usuários do novo notebook quanto à duração da bateria — tanto, que na última atualização do macOS, a empresa removeu a função "tempo restante de bateria".

É sabido que baterias nem sempre entregam a mesma quantidade de autonomia para computadores ou dispositivos diferentes, assim como também é sabido que os resultados de benchmark podem alterar a cada teste. É por isso que os testadores de gadgets executam os testes várias vezes até encontrar uma boa média dos resultados. Mas mesmo assim, não é normal que uma bateria tenha uma variação de uma a até cinco vezes para o mesmo produto, nas mesmas condições.

Durante os testes com a equipe da Consumer Reports, foi descoberto que o cache local do Safari havia sido desativado. Isso significa que o navegador teve de baixar todo o conteúdo de cada website visitado todas as vezes. Quando o cache está ativo, o Safari já baixa imagens e vários outros componentes de páginas na web para economizar tempo e bytes, o que não foi o caso.

"A Consumer Reports usou uma configuração oculta do Safari para desenvolvedores, que desliga o cache do navegador. Isso não é comum para os usuários e não reflete o uso no mundo real", disse a empresa em comunicado.

Como resposta, a revista publicou hoje em sua versão online que desativa o cache em todos os seus notebooks, e não apenas nos da Apple, para realizar seus testes.

Entre um teste e outro, a Apple também descobriu um bug para carregar ícones no Safari, e já afirmou que ele foi corrigido e que os novos testes de benchmark devem apresentar resultados melhores.

Seja como for, essa história nos faz pensar na metodologia usada pelos especialistas para realizar seus testes de benchmark e publicar os resultados. Afinal, é muito mais producente manter o cache ativo e limpá-lo de tempos em tempos do que desativá-lo por completo. Foi, no mínimo, curiosa a abordagem da Consumer Reports nesse sentido.

Fonte: Consumer Reports