Queda no mercado de PCs vai aumentar vendas de Chromebooks, diz analista

Por Redação | 12.08.2014 às 12:50

Enquanto fabricantes e distribuidores de PCs lutam para se manter atualizados e dinâmicos em um mercado que cada vez mais se afasta deles, o setor de Chromebooks segue em uma direção contrária e extremamente saudável. Pelo menos na opinião do instituto de pesquisas Gartner, que prevê um aumento de mais de 300% no total de unidades dos computadores até 2017.

De acordo com as informações publicadas pelo Business Insider, trata-se de um movimento bastante coeso. Enquanto o sucesso de desktops e notebooks tradicionais é cada vez mais reduzido, cresce o de tablets e smartphones com telas maiores. Mas, dentro do mercado, ainda existem pessoas procurando um computador convencional e, nesse ensejo, os Chromebooks acabam se tornando uma oferta bastante interessante devido à sua portabilidade, simplicidade e baixo preço.

Essa tendência já está sendo sentida no número de lançamentos, já que, desde o início de 2014, oito novos modelos do aparelho chegaram às lojas. É uma demonstração, para o Gartner, de que fabricantes como Asus e Samsung, por exemplo, estão buscando novas oportunidades de mercado, mas sem saírem do segmento de PCs ao qual já estão acostumados. Nesse sentido, os Chromebooks podem ser uma alternativa bastante oportuna.

Além disso, o instituto aponta para o mercado de fora dos Estados Unidos, praticamente inexplorado. De acordo com as informações oficiais, 82% das vendas de Chromebooks aconteceram nos EUA, mostrando que qualquer país estrangeiro ainda está carente de novidades do tipo e, quem sabe, pode vir a nadar de braçada nessa nova onda.

O mesmo vale para os segmentos não-educacionais. Devido a incentivos governamentais e do próprio Google, em 2013, 85% de todos os computadores da categoria foram vendidos para escolas, professores ou estudantes. Aos poucos, porém, o usuário comum começa a aparecer nesses números, mostrando que há interesse por máquinas simples e baratas também para o consumidor tradicional.

O Gartner aponta ainda o crescimento de ferramentas de cloud computing como uma boa oportunidade de fomentar o crescimento do Chromebook nos setores corporativos. Como uma máquina totalmente conectada aos serviços do Google – que na maioria das vezes, também estão presentes nas próprias companhias – as máquinas podem acabar surgindo como uma opção barata e já integrada, sem a necessidade de muita configuração adicional.

Apesar de todas essas oportunidades, porém, o instituto admite que pode levar algum tempo para que os Chromebooks atinjam uma audiência maior. Para a empresa de análise de mercado, cabe também às fabricantes inserirem novas funções e novidades mais atrativas em seus aparelhos, além de trabalhar na divulgação deles, para que as máquinas deixem de ser um nicho e se tornem protagonistas de um mercado que está cada vez mais derrubado.

Hoje, a Samsung é líder mundial em vendas de Chromebooks, com um market share amplo, de 64,9% do mercado. A Acer vem em segundo lugar, com 21,4%, seguida pela HP (6,8%) e Lenovo (6,7%). Destas, apenas as duas primeiras já lançaram aparelhos do tipo no Brasil, por preços que variam de R$ 900 a R$ 1.200.