ASUS Vivobook S451: bons recursos e performance por um preço até razoável

Por Pedro Cipoli

Notebooks e Ultrabooks equipados com a quarta geração de processadores Intel vão lentamente chegando ao Brasil. Ainda que eles custem um pouco mais caro por serem relativamente recentes, modelos com a geração Haswell trazem um ligeiro avanço de performance, mas uma considerável melhoria no gerenciamento de energia, o que faz deles uma excelente opção para quem está cansado de notebooks que mal ficam uma ou duas horas fora da tomada, em especial os que são equipados com a série ULV (Ultra Low Voltage) de processdores.

Design

O Vivobook S451 da ASUS é um bom exemplo dessa nova geração, trazendo o design já conhecido da linha Vivobook, que é uma versão simplificada das linhas mais avançadas da empresa, como Taichi e Zenbook, mas com um custo-benefício mais interessante. Neste caso em especial temos um acabamento um pouco mais "Premium" por ser construído em alumínio. Ele nos pareceu muito parecido com o MacBook Pro não Retina, o que não chega a ser uma falha grave, mesmo porque essa é uma característica desejada por muitos usuários.

Até o teclado é parecido com o que equipa o MacBook, trazendo teclas parecidas na cor preta, o que dá um bom contraste com a superfície de alumínio interna. Em nossa opinião as teclas se mostraram rasas demais e bastante propensas a erros, e várias vezes tivemos que voltar no texto para inserir algum caractere que estava faltando. O touchpad, por outro lado, é consideravelmente diferente, mas tem um bom tamanho, sem botões físicos e em muitas situações facilmente dispensa um mouse.

A tela de 14 polegadas é a padrão utilizada em todos os modelos da série Vivobook, com resolução de 1366 x 768 e tecnologia LED, não trazendo nada de especial em relação à qualidade de imagem mas sendo uma tela boa para qualquer ocasião, com boas taxas de contraste e saturação de cores. Como grande parte dos VivoBooks, ela é sensível ao toque e suporta vários gestos simultâneos, o que é uma praticidade para muitos usuários mas diminui os ângulos de visão devido ao alto reflexo do vidro de proteção.

Uma característica que diferencia o S451 dos outros Vivobooks é a sua configuração e maior autonomia de bateria, mas, assim como os modelos mais atuais, ele traz um drive de CD/DVD embutido. Sinceramente acreditamos que essa foi uma escolha ruim, já que ele está posicionado em uma faixa de preços um pouco mais alta, voltada para usuários mais exigentes e que raramente utilizam mídias ópticas. A bateria tem até uma boa autonomia, mas acreditamos que o usuário sairia ganhado mais se o espaço dedicado ao drive fosse utilizado para comportar uma bateria de maior capacidade.

Desempenho

Por baixo do capô temos um processador Intel Core i7-4500U, modelo de quarta geração (Haswell) com dois núcleos e quatro threads rodando a 1,8 GHz (Turbo Boost até 3,0 GHz e 4 MB de cache L3), 6 GB de memória RAM DDR3L (1x4 GB e 1x2 GB) e gráficos integrados Intel HD 4400. Não sentimos falta de performance em nenhuma situação, em especial pelo pequeno mas considerável avanço do Intel HD 4400 sobre o Intel HD 4000 da geração Ivy Bridge, que, mesmo sendo integrado, dispensa facilmente uma GPU dedicada de baixa performance.

O modelo que recebemos trazia um disco rígido convencional de 500 GB, um componente que certamente atrapalha a o desempenho do S451. Não há nenhuma configuração que traga um SSD de 128 GB ou 256 GB por padrão, mas recomendamos fortemente adquirir um separadamente, componente que irá melhorar a performance e fará do Vivobook uma excelente máquina de trabalho. A configuração máxima traz como diferencial um HD de 1 TB, que oferece um espaço generoso, mas não resolve o gargalo de armazenamento.

Conexões

O VivoBook S451 está longe de ser um Ultrabook, mas não chega a ser grosso com seus 24,8 mm de espessura, largura de sobra para ter conexões que não precisam de adaptadores. São 3 portas USB, duas no padrão 3.0 e uma 2.0, conexão HDMI, RJ-45 para o cabo de internet, conexão P3 e leitor de cartões. É interessante notar que os modelos mais recentes estão finalmente abandonando a velha conexão VGA, que pode finalmente descansar em paz no museu de tecnologia.

No quesito conectividade sem fios temos o Wi-Fi padrão 802.11 abgn, no qual o padrão a está disponível somente nas configurações mais parrudas, com Bluetooth 4.0, mas também somente em alguns modelos. Se você faz questão desse tipo de conexão, é bom chegar antes da compra. Por último temos o WiDi, ou Intel Wireless Display – e você pode saber um pouco mais sobre ele em um artigo explicando o que é e como funciona.

Som e bateria

O driver de som do S451 é o já conhecido SonicMaster, muito bom para o consumidor final, embora não traga a qualidade de drivers superiores, como o Dolby Digital v4 ou mesmo o ICEpower, também da ASUS. Para quem possui um fone de ouvido de qualidade, ele é altamente recomendado, mas suas caixas de som são apenas OK. A bateria de quatro células é capaz de fornecer uma autonomia de até 6 horas de uso pesado, o que levanta uma questão interessante que citamos no começo do artigo: se a ASUS utilizasse o espaço do drive de CD/DVD para uma bateria de maior capacidade, digamos 10 ou 11 horas, ou mesmo o deixasse mais fino com uma melhor distribuição de componentes internos, o usuário não sairia ganhando mais?

Conclusão

Encontramos o VivoBook S451 da ASUS com um preço médio de R$ 2.500, valor não só compatível com as suas especificações mas também com um bom custo benefício se considerarmos o seu design superior. Em especial, por trazer uma tela sensível ao toque e boa autonomia de bateria, o valor investido se torna mais atraente ainda, sendo um produto ideal para o usuário médio-avançado, ou prosumer, que quer uma máquina relativamente potente mas sem deixar de lado a autonomia de bateria.

Entre os principais defeitos não podemos deixar de mencionar novamente a falta de necessidade de um drive de CD/DVD em um modelo mais caro. Ele ocupa um espaço interno considerável, em especial em um modelo de 14 polegadas, e pouco acrescenta à experiência de uso por ser utilizado quase raramente. Se ao invés dele tivéssemos uma bateria de maior capacidade ou um corpo mais fino, ambas características que agregariam mais valor ao modelo pra qualquer tipo de usuário, teríamos um custo benefício ainda melhor.

Vantagens

  • Bom custo-benefício;
  • Touchscreen;
  • Configuração acima da média;
  • Boa autonomia de bateria;
  • Construção de qualidade;
  • Som de alta definição.

Desvantagens

  • O drive de CD/DVD aumenta a espessura e o peso sem adicionar valor ao produto (modelos mais avançados raramente o trazem);
  • O teclado poderia ser retroiluminado;
  • Teclado fino demais (talve seja uma questão de se acostumar);
  • Não há uma opção com SSD de fábrica, algo que o colocaria em um patamar superior.
Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.