Times dedicados e compartilhados no desenvolvimento de produtos digitais

Por Colaborador externo | 29 de Agosto de 2016 às 06h16

Por Raphael Ozawa*

Colocar um produto digital no mercado, seja ele web ou mobile, exige dedicação mútua e sintonia entre os profissionais envolvidos no projeto. Hoje, uma das estratégias mais assertivas é o trabalho desenvolvido por meio de Times Compartilhados (profissionais que atuam simultaneamente em múltiplos projetos) e Times Dedicados (profissionais com foco exclusivo a um projeto).

Ambos os times são multidisciplinares. A principal vantagem desse approach é elevar a qualidade e performance de cada produto a partir do diálogo e da cooperação entre visões relativas e absolutas. O Time Compartilhado, por atuar em diversos projetos, está sempre atento ao macro de cada projeto, garantindo que comparativamente todos atinjam o mesmo grau de excelência e que breakthroughs alcançados se propaguem por todos os demais da empresa. Já o Time Dedicado, garante que o foco no micro nunca se perca, fazendo com que se conquiste qualidade e quantidade nos detalhes, evitando a perda de conhecimento inerente que ocorre quando há passagens de bastão desnecessárias.

Estes times nasceram do fato de algumas empresas não acreditarem que apenas esforços pontuais e difusos em diversos projetos são capazes de produzir resultados de alta qualidade. Trabalhar com Times Compartilhados e Dedicados não é prática comum de mercado e isso pode ser um forte diferencial competitivo.

A criação de Times Dedicados é ainda mais essencial quando você identifica os problemas que o cliente pretende resolver usando software e qual o resultado final almejado. Com essa informação, é possível avaliar o perfil dos profissionais e definir qual o time mínimo e ideal para que os objetivos do cliente sejam alçados. Como um exemplo, para a execução de um breve protótipo funcional, um ou dois designers seriam suficientes para a criação e execução, enquanto um robusto app multiplataforma talvez exija um time multidisciplinar com designer de produto, desenvolvedor front-end, desenvolvedor back-end e desenvolvedores com conhecimento nativo de mobile.

Os resultados deste trabalho podem ser potencializados com o uso da metodologia de Agile Project Inception para cocriar com o cliente até mesmo as definições do projeto e o time que será dedicado a ele. É comum dentro de um mesmo cliente vários stakeholders terem interesse em um mesmo objetivo final, mas nunca terem tangibilizado qual o caminho que será percorrido para se chegar lá.

Por meio dessa dinâmica, as equipes assumem a responsabilidade de tornar visível essa falta de consenso que estava escondida. A partir daí, é só traçar as “dores” do cliente (ou do público dele), o propósito do sistema, quem irá consumi-lo e qual a correlação ideal entre os usuários e suas funcionalidades. Ao final, o road-map criado é um consenso de todos os envolvidos e fica claro quais são os profissionais necessários para torná-lo real.

*Raphael Ozawa é sócio da HE:labs, empresa que transforma ideias em produtos digitais web e mobile, onde usa experiência na área para ajudar a traduzir os problemas dos clientes em soluções que o time possa trazer à realidade. Formado em Publicidade e Propaganda pela Cásper Líbero, Raphael se especializou em Design Gráfico e Experiência do Usuário (UX).

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!