Google e Mastercard negam "parceria secreta" para uso de dados dos clientes

Por Rafael Arbulu | 10 de Setembro de 2018 às 11h40
photo_camera Divulgação
Tudo sobre

Google

Ao final de agosto, falamos aqui no Canaltech sobre uma suposta parceria entre Google e Mastercard onde, mediante o acesso a uma ferramenta específica da gigante da internet, a bandeira de cartões de crédito seria capaz de rastrear dados de compras feitas com cartão de crédito e débito, inclusiva sabendo se tal compra saiu mediante anúncio na internet. Denunciada pela Bloomberg, que citou fontes ligadas a ambas as empresas, a situação levantou questionamentos sobre o mau uso de dados dos clientes e possíveis violações de privacidade.

Na última semana, tanto Google como MasterCard negaram tal parceria, alegando que não há nem nunca houve qualquer tipo de acesso aos dados dos clientes — em especial, números de cartões de débito e crédito ou informações pessoais e transacionais. A ferramenta, chamada “Store Sales Measurement”, não teria essa finalidade.

Google e Mastercard negam suposto acordo sobre dados de compra dos usuários

A Google reproduziu, no Brasil, um comunicado global dizendo que “antes de lançarmos essa ferramenta no ano passado, construímos uma nova tecnologia de criptografia em dois fatores que previne a Google e seus parceiros de visualizar quaisquer informações identificáveis de nossos usuários”. A empresa ainda complementou: “nós não temos acesso a nenhuma informação de nossos parceiros no que tange a cartões de débito e crédito, nem compartilhamos com eles qualquer informação pessoal. Usuários do Google podem sair dessa ferramenta por meio do menu de atividades da web e aplicativos a qualquer hora”. É válido ressaltar, porém, que o menu citado pela Google não traz menção alguma ao rastreio de compras.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Quanto à Mastercard, a empresa limitou-se a dizer, por meio de porta-voz, que “a premissa do que foi reportado é falsa. Da forma como a nossa rede opera, nós não temos ciência dos itens individuais que um consumidor compra em qualquer cartão — seja ele físico ou digital. Nenhum dado individual de transação nos é oferecido. Isso é o que se espera na transparência de compradores e vendedores ao redor do mundo. Ao processar uma transação, nós vemos apenas o nome do vendedor e o valor total de compra, mas não itens específicos”.

Fonte: MSN News; Propmark

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.