Como engajar e interagir em uma era tão conectada?

Por Colaborador externo | 02.06.2015 às 07:47

Por Guilherme Mamede*

Quanto vale um "like" nas redes sociais? É bem difícil mensurar o valor em termos financeiros, mas é fácil afirmar que, para muitos, é muito precioso, porém não é tudo. Já ouvi diversas discussões sobre curtidas e o quanto isso de fato engaja os consumidores. Muitas pessoas evitam comentar sobre o quanto o like pode aumentar o poder de persuasão de uma campanha, uma vez que compartilhamentos e comentários são muito mais os “queridinhos” do mundo digital. O que realmente acaba sendo importante, nesse caso, é a oferta de um conteúdo relevante que de fato valha a pena para o consumidor acessar e interagir.

Um exemplo bastante recente de case de sucesso nas redes sociais é um dos maiores portais do Brasil que criou uma fanpage para seu "estagiário", a fim de divulgar seu conteúdo e, ao mesmo tempo, fazer brincadeiras com as próprias matérias para tornar esta interação mais natural e próxima do seu leitor. O resultado tem sido bastante positivo e o público vem se engajando muito com a página e, consequentemente, com o portal.

Poderíamos ficar horas e horas discutindo sobre engajamento nas redes sociais, mas sabemos que o tema já está quase ficando ultrapassado. Saber interagir com o consumidor, hoje, já é requisito básico para empresas e meios de comunicação. E, nesse caso, essa interação deve acontecer em todos os canais possíveis, não apenas em redes sociais, respondendo a comentários ou estando atento ao engajamento do público.

A televisão, que surgiu décadas antes da internet e dos portais, não tem ficado para trás nesse quesito. Conhecido por sua interatividade em tempo real com os telespectadores, o programa SuperStar, da Rede Globo, utiliza um aplicativo em que o público consegue votar nas bandas que mais gosta e decidir se ela vai adiante ou não na competição. Porém, essa interação não ficou apenas no aplicativo do programa. Por meio de uma tecnologia desenvolvida especialmente para esse fim, chamada TVSync, foi possível atingir, na segunda tela, os consumidores que eram impactados por uma marca durante o programa. Parece mágica, mas isso já é real e absolutamente possível.

Mas, por que impactar possíveis usuários na segunda tela? A resposta é bem simples. Esse é um fenômeno que vem crescendo bastante, por conta de uma demanda real que existe tanto no Brasil quanto no resto do mundo. De acordo com uma pesquisa divulgada recentemente pela Viacom International Media Networks, 66% dos brasileiros usam, em média, cinco aparelhos ao mesmo tempo, seja smart TV, smartphone, computador portátil, entre outros. A partir disso, é possível identificar uma oportunidade imensa para interagir com esse usuário “multi-telas”.

Outro case recente que usou a tecnologia de TVSync foi a gigante brasileira de cosméticos Natura. Foi criada uma parceria com a novela Império, também da Rede Globo, onde cada usuário que assistia à programação era impactado com material publicitário da marca na segunda tela.

O que é interessante observar nesse fenômeno é o quanto as tecnologias vêm se reinventando a cada momento, afim de buscar atrair mais e mais consumidores. Isso mostra que estamos no caminho certo de avanço e que o futuro está justamente nessa inovação constante.

*Guilherme Mamede é CEO da Melt DSP, criadora da tecnologia TVSync, em parceria com a TVData.