Amazon usa software automatizado para demitir funcionários

Por Rafael Arbulu | 29 de Abril de 2019 às 15h23
Tudo sobre

Amazon

Saiba tudo sobre Amazon

Ver mais

[Atualizado às 23h33 de 29/4] A Amazon retornou o contato da equipe do Canaltech. Nossa equipe havia lhe questionado se a prática do texto abaixo também era comum ao Brasil, uma ideia que eles rechaçaram. O posicionamento da empresa foi devidamente inserido ao final da matéria original.

Documentos obtidos pelo site The Verge mostram que a Amazon, ao menos em seus centros de distribuição de encomendas, demite funcionários com base em software que “rastreia e quantifica a produtividade” de cada um. Entre 2017 e 2018, inclusive, a gigante do comércio eletrônico teria demitido “centenas” de pessoas por falharem no cumprimento de metas rastreadas por esse sistema, segundo carta assinada por um advogado no ano passado.

Porta-vozes da empresa confirmam que, em 2018, foram realizadas cerca de 300 demissões por motivos de falhas em metas que não foram batidas, mas ninguém confirmou tratar-se de algo feito por software.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Os centros de distribuição da Amazon nos EUA são responsáveis por embalar, rastrear e classificar os pedidos antes de eles serem enviados aos clientes. Segundo os documentos mostrados pelo The Verge, há casos em que funcionários devem embalar “centenas de pacotes por hora”, com alguns deles relatando sensações de perseguição constantes, haja vista que o sistema também rastreia o tempo de parada de cada um (sigla conhecida no sistema como “TOTs”, ou “time-off times”).

Sistema implementado nos depósitos da Amazon é responsável pela demissão de centenas de funcionários, sem nenhuma participação humana

Funcionários relataram evitar idas ao banheiro, por exemplo, pois o tempo fora da produção, registrado pelo sistema, pode gerar alertas a supervisores e gestores. Tais alertas são considerados quando uma demissão deve ser avaliada.

A Amazon se defendeu das acusações, dizendo que o término de contrato frente a “ineficiência” é algo comum no setor. Foi no galpão de Baltimore que a empresa informou ter demitido aproximadamente 300 funcionários ao longo de 2018. Mas ela diz que a gestão é atribuída aos gestores de cada depósito e eles têm liberdade para atribuir o processo sistemático que desejarem.

A documentação mostra que o sistema é bastante completo, gerando relatórios automatizados de rastreio e enviando alertas de feedback ou mesmo de demissão por conta própria: “o sistema da Amazon monitora o percentual de produtividade de cada associado, gerando automaticamente alertas de demissão de acordo com a qualidade ou produtividade, sem nenhum input dos supervisores”, dizem os documentos.

A Amazon defende o uso do sistema de rastreio, dizendo que o alto volume de demissões é algo corriqueiro no setor

“Uma das coisas que ouvimos constantemente dos trabalhadores é a de que eles são tratados como robôs, por serem monitorados e supervisionados por estes sistemas automatizados”, disse Stacy Mitchell, co-diretora do Instituto Local para Auto-apoio (ILSR, na sigla em inglês) e uma ávida crítica da Amazon. “Eles são monitorados e supervisionados por robôs”.

Nos EUA, a Amazon mantém operações em mais de 75 galpões de depósito de encomendas, cada um com algo entre 150 e 250 funcionários. Se a média de demissões de 2018 puder ser interpretada para as outras sedes, então a Amazon deve promover, anualmente, demissões em cerca de 10% da sua força de trabalho no manuseio de encomendas.

O Canaltech buscou a assessoria de imprensa da Amazon no Brasil e, questionada se a prática relacionada no texto é comum ao nosso país, a empresa negou que fosse o caso.

Por meio de um porta-voz, a Amazon disse: "É infundada a ideia de que funcionários estejam sendo desligados por meio de um sistema automático. Jamais dispensaríamos um funcionário sem que ele tenha recebido o nosso mais completo apoio, seja por meio de direcionamentos específicos ou qualquer outro tipo de treinamento adicional". O comunicado ainda continua: "Como somos uma empresa que busca crescimento contínuo, nosso objetivo de negócio é garantir oportunidades de desenvolvimento de carreira de longo prazo para nossos funcionários. Assim como muitas empresas, temos expectativas de desempenho dos funcionários, independentemente de eles serem corporativos ou do centro de distribuição. Apoiamos pessoas que não atendam aos níveis esperados com direcionamento e treinamentos dedicados para ajudá-las a melhorar e terem sucesso em suas carreiras na Amazon".

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.