Receita suspende fiscalização de produtos vindos do exterior em certas regiões

Por Redação | 11.11.2013 às 17:47 - atualizado em 11.11.2013 às 18:17

Em um esforço para fechar as contas de 2013, o governo diminuiu seus gastos com a Receita Federal, colocando os programas de modernização em “marcha lenta” e suspendendo operações de repressões, que incluem as taxações de mercadorias que chegam do exterior.

De acordo com o Estado de São Paulo, as receitas das áreas do Centro-Oeste, Tocantins e Porto Alegre já estão com as atividades de repressão suspensas há algumas semanas, incluindo a operação Fronteira Blindada, que combate o contrabando e a pirataria. Um dos motivos para isso é o fato de a Receita não ter verbas para custear o deslocamento dos fiscais para a região.

Além da suspensão de operações de repressões, a Receita também freou o desenvolvimento de novos programas de informática. Entre os programas afetados estão o Porto 24 Horas, que está com a sua operação ameaçada devido aos gastos com o seu funcionamento ininterrupto.

Com isso, a Receita estima ter um prejuízo de apenas R$ 1 bilhão por mês, ficando com um saldo devedor de R$ 12,1 bilhões no final de 2014.

Quem também pode ser prejudicado com esses cortes são os Correios, que tiveram o contrato de envio de correspondências suspenso e estão prestes a ter outros serviços também bloqueados.

Quando questionada pelo Estado de São Paulo sobre os cortes, a Receita informou que opera “dentro dos padrões de normalidade”. Sobre a suspensão da repressão em algumas regiões, afirmou que os "cortes nas Regiões Fiscais podem ser explicados pela necessidade de se priorizar gastos, no âmbito das providências, para que não haja impacto no desempenho das atividades".