Citrix apresenta novas soluções de virtualização para mercado brasileiro

Por Rafael Romer | 11.06.2014 às 13:38

A Citrix promoveu nesta terça-feira (10) o Citrix Synergy Unplugged, evento pocket que apresentou aos clientes e parceiros da empresa no mercado brasileiro os novos produtos e soluções lançados em maio no seu evento global, Citrix Synergy.

Demonstrado no workshop da empresa, um dos principais anúncios foi a parceria firmada entre a Citrix e a gigante Cisco para o lançamento da solução de infraestrutura de mobilidade empresarial Mobile Workspace Solution, que inclui o Workspace Suite Citrix.

A solução foi desenvolvida com o intuito de simplificar a distribuição otimizada de aplicações, dados, comunicações e serviços a partir de diferentes dispositivo em rede e com maior segurança. Com lançamento global, a solução já foi apresentada ao mercado brasileiro no final de maio.

O anúncio é parte da estratégia da empresa no setor de mobilidade empresarial, um dos principais focos do Citrix Synergy e área de atuação global da empresa. "A área de concentração é ao redor de mobilidade", explicou o diretor da Citrix para América Latina e Caribe, Ricardo Alem, em entrevista ao Canaltech. "Mesmo que estejamos falando sobre ambientes virtualizados, [a mobilidade] é como a gente consegue fazer a entrega disso de uma maneira mais rápida, acessível e independente do dispositivo".

Em conjunto com o Workspace Suite, a empresa anunciou ainda a tecnologia NetScaler MobileStream, focada no aumento de desempenho de aplicativos e redes móveis. De acordo com a empresa, a tecnologia reduz o tempo de entrega de aplicativos em dispositivos móveis através da otimização do download de dados, o que acelera o desempenho de sistemas em cinco vezes.

A tecnologia ainda não foi lançada oficialmente no mercado, mas está prevista para até o final deste trimestre.

Avanço da virtualização

Questionado sobre a adoção de virtualização no mercado brasileiro, Alem avalia que o país passa por um momento positivo, com mais empresas dispostas a experimentar com a tecnologia. "Eu vejo que o mercado chegou em um ponto que não é de maturação plena, mas já é um princípio de maturação. Quando você começa a conversar sobre virtualização, já não é mais uma incógnita", disse.

De acordo com ele, grande parte das empresas já passaram pela fase "básica" de preocupação com a segurança de ambientes virtualizado e as dúvidas mais frequentes agora são sobre como ambientes virtualizados podem ser aplicados no dia-a-dia.

Há, inclusive, empresas que já adotam a virtualização de desktops para resolver problemas mais específicos e diferentes de iniciativas mais comuns do mercado, o que já aponta para um desenvolvimento maior do mercado.

"Eu noto que começam a surgir demandas de virtualização de desktop de uso mais inovadores. Antigamente a gente tinha muito arroz-com-feijão", conta. Segundo ele, a Citrix passa a ver cada vez mais demandas diferentes no mercado, como uso de aplicações 3D, virtualizações específicas e críticas e de pontos estratégicos. "Agora começam a surgir perguntas para a gente que são mais ricas em conhecimento, é mais desafiador".

No outro lado do avanço da virtualização, o país ainda sofre com a adoção "atrasada" do BYOD (Bring Your Own Device), na avaliação do executivo. Segundo ele, a tendência, já bem difundida em regiões como os Estados Unidos, ainda não entrou completamente em empresas nacionais. Não há um motivo específico para a tendência de mobilidade ainda não ser adotada em laga escala, mas sim um mistura que questões culturais, legais e de segurança que caracterizam todo o mercado latino-americano."As empresas ainda têm um pouco de dúvida se o ativo é delas ou do funcionário", opina. "E tem o aspecto prático de fazer isso acontecer, de ter o interesse e visão da organização".

No Brasil, onde a Citrix opera atualmente com cerca 3,8 mil clientes, a empresa está experimentando um crescimento "bastante acelerado", na avaliação de Alem. "Nós esperávamos atingir um certo platô, mas mesmo assim seguimos crescendo [no Brasil]", explica. A empresa não abre números regionais, entretanto, nos resultados divulgados sobre o ano de 2013, os mercados da América do Sul, Central e Norte juntos tiveram um aumento de 14% de receira em relação ao ano anterior.

Para a empresa, o setor de cloud network, o princípio que apoia a mobilidade, é o que vem crescendo mais rápido. A área de atuação é seguida em segundo lugar pelo setor de EMM (Enterprise Mobility Management) e, por fim, pela virtualização – área que é o principal mercado, mas com crescimento menor devido à sua grande base de clientes.