Microsoft volta a pedir que usuários atualizem o Internet Explorer

Por Redação | 07.12.2015 às 13:31
photo_camera The Verge

Uma das iniciativas da Microsoft para transformar o Internet Explorer em um navegador mais seguro foi deixar de investir no código problemático das versões anteriores e focar apenas em versões mais novas e melhores. E é justamente por isso que a empresa voltou a exibir nesta semana alertas para os usuários de edições antigas de browser, informando que em breve eles devem deixar de receber suporte oficial da companhia.

A partir do dia 12 de janeiro, a Microsoft abandona de vez o Internet Explorer em versões anteriores à 11. Isso significa que os browsers mais antigos deixarão de receber atualizações e, sendo assim, acabam abertos a vulnerabilidades de segurança que podem ser descobertas por hackers. A alternativa para os usuários é única: a atualização.

Essa é uma das maneiras mais utilizadas pelos hackers para se aproveitar de usuários incautos. Sempre que existe a notícia do abandono de suporte a um produto, os criminosos tentam se aproveitar daqueles que ainda não estão rodando a mais recente versão, tornando-os um alvo ainda maior para crimes digitais. A ideia geral é que aqueles rodando sistemas desatualizados também são os que não possuem tanta intimidade assim com conceitos de segurança e por isso estariam mais suscetíveis a cair em golpes.

Lançado em 2013 inicialmente para o Windows 8.1, o IE 11 foi a última tentativa da Microsoft de revitalizar seu navegador que, apesar de ainda estar entre os mais utilizados do mundo, perdeu grande terreno em termos de segurança e funcionalidade para a concorrência. A edição foi a última a utilizar a antiga marca, já que com a chegada da edição 10 do sistema operacional, o browser passou a se chamar Microsoft Edge e ganhou visual e funções mais modernos.

Os avisos podem ser pouco eficazes. De acordo com dados da Net Market Share, duas versões desatualizadas do Internet Explorer estão entre os cinco navegadores mais utilizados da internet – a edição 8, com 10,4% do total de usuários, e a 9, com 6,5%. Felizmente para a Microsoft, a versão 11, a única que ainda continuará recebendo suporte, permanece na primeira colocação, com 24,7%, cerca de três pontos percentuais à frente do Google Chrome.

Fonte: TechRadar