Google aplicará regras mais rígidas para extensões do Chrome a partir de outubro

Por Redação | 24 de Julho de 2019 às 23h30
Chrome Unboxed
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

Projeto Strobe: esse é nome de uma ação da Google que tem o objetivo de fazer uma revisão completa do acesso de desenvolvedores terceiros aos dados pessoais de usuários dos serviços da empresa. Em maio deste ano, uma das etapas dessa iniciativa era uma análise envolvendo as extensões do Chrome. Feito isso, a gigante anunciou que, a partir de outubro, as novas políticas em relação aos plug-ins oferecidos no navegador começam a valer.

Uma das principais regras divulgadas pela Google nesta nesta terça-feira (23) envolve duas novas políticas presentes na Chrome Web Store, e que os desenvolvedores têm até o final deste ano para se adaptarem. A primeira faz menção do acesso aos dados. No passado, as extensões só eram incentivadas a “solicitar acesso a um menor número de dados possível”. Agora, isso é um requisito para todos aqueles que desenvolvem ferramentas e utilitários para o navegador, incluindo as extensões, claro.

Já a segunda determina que os plug-ins que lidam com comunicações pessoais e conteúdo fornecido pelo usuário (como é o caso dos VPNs) devem publicar suas políticas de privacidade de forma vísivel aos seus usuários. Antes, esta regra se aplicava apenas aos plug-ins do Chrome que manipulavam dados pessoais e confidenciais de usuários e confidenciais. Agora, ela vale para todo tipo de extensão.

Além disso, é claro, essas ferramentas devem continuar a ser transparentes na forma como lidam com os dados do usuário, divulgando a coleta, o uso e o compartilhamento dessas informações. Tudo de forma visível, nos termos de serviço.

Remoção e adaptção

O texto exato foi publicado pelo Google em seu blog oficial, após o anúncio feito em maio. Os desenvolvedores têm até o dia 15 de outubro para se adaptar e seguir as regras de uso atualizadas, antes que a Google comece a aplicá-las.

Segundo o texto:

"Depois de 15 de outubro de 2019, os itens que violarem essas atualizações da Política de Dados do Usuário serão removidos ou rejeitados da Web Store e deverão se tornar compatíveis para serem restabelecidos. Continuaremos a tomar medidas sobre violações da Política de dados do usuário em sua forma atual."

A Google também forneceu algumas diretrizes para os desenvolvedores que auditam suas extensões do Chrome:

"1 - Faça um inventário das permissões atuais de suas extensões e, quando possível, mude para alternativas com um escopo mais restrito. Além disso, inclua uma lista de permissões usadas e os motivos pelos quais você as solicitou [ao usuário] na sua listagem da Chrome Web Store ou em uma seção "Sobre" em sua extensão. Se você expandir os recursos de sua extensão e exigir uma nova permissão, só poderá solicitá-la na versão atualizada da extensão.

2 - Se a sua extensão manipular Dados Pessoais Sensíveis de Usuários, que agora também incluem conteúdo pessoal e comunicações fornecidas pelo mesmo, o Produtor deve publicar uma política de privacidade e manipular os dados de forma segura, incluindo a transmissão das informações por meio de uma criptografia moderna. Para adicionar uma política de privacidade, use a sua conta de desenvolvedor para acessar o painel e vinculá-la. Todas as suas extensões publicadas devem compartilhar a mesma política de privacidade."

Fonte: 9to5Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.