Google estaria personalizando pesquisas mesmo em modo anônimo

Por Felipe Demartini | 05 de Dezembro de 2018 às 11h27
Tudo sobre

Google

A ideia de que a navegação anônima do Google Chrome efetivamente protege a privacidade dos usuários caiu por terra quando um estudo feito nos EUA descobriu que o rastreamento e telemetria ainda são usados pela empresa para entregar resultados de pesquisas mesmo nesse formato. Nos testes, mesmo quando deslogados e utilizando o navegador no modo “incógnito”, os participantes da pesquisa ainda viram links individuais após procurarem pelo mesmo tema.

A pesquisa foi realizada pela DuckDuckGo, desenvolvedora de um motor de pesquisas focado em privacidade, com 87 pessoas em diferentes estados norte-americanos. Todos procuraram pelo mesmo tópico, “controle de armas”, ao mesmo tempo e estando logadas ou não, como forma de comparar os resultados. E a conclusão é que, mesmo na navegação anônima, ainda existia rastreamento e os links entregues estavam personalizados em algum grau.

A ideia da DuckDuckGo era de que, ao realizarem as buscas com o método privado, todos os resultados deveriam ser iguais ou, pelo menos, bem parecidos. Não foi o caso. Os usuários viam, em média, 10 links por pesquisa, sendo que apenas um mudava quando a pesquisa era realizada no modo anônimo ou não. Os resultados também foram diferentes entre os participantes, com uma média de três sites diferentes entre cada um deles.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A forma de exibição das pesquisas também se manteve relativamente inalterada. A maioria dos usuários viu 10 links aparecendo na primeira página do Google, mas, de acordo com o tamanho dos textos de exibição, esse total poderia cair para nove ou aumentar até 11. Entretanto, tais aspectos também se refletiram nas buscas realizadas no modo anônimo.

Para a DuckDuckGo, o estudo comprova de vez que a navegação anônima tem mais a ver com proteger o que é feito na internet de outros usuários de um mesmo computador do que das empresas de internet. Enquanto o formato impede que logins e senhas sejam armazenados, bem como cookies e o histórico de utilização, ele não parece impedir que o rastreamento do qual muita gente deseja fugir está sendo, efetivamente, bloqueado.

Além disso, a empresa criticou a gigante por criar o que chama de "bolha de pesquisa", impedindo que resultados e visões diferentes sejam exibidos aos usuários mesmo que eles estejam em busca desse tipo de variação. Em alguns casos, usuários que seriam contrários à questão do controle de armas não se deparavam com argumentos a favor ou sites que exibiam os dois lados dessa moeda, enquanto a Associação Nacional de Rifles (NRA, na sigla em inglês), um dos principais grupos que se opõem a propostas assim, era uma presença constante.

Em resposta, a Google refutou o estudo e criticou os métodos utilizados, afirmando que a ideia de que usuários de diferentes locais veriam resultados iguais é incorreta, uma vez que o motor de busca leva em conta diversos fatores não apenas relacionados aos hábitos dos usuários em si. Horário, localização, eventos locais e notícias do momento também fazem com que a exibição se altere e, na visão da gigante, a rival simplesmente não levou tais elementos em conta.

A empresa foi além, afirmando que o rastreamento de usuários para personalização representa apenas uma pequena parte do que leva em conta na hora da exibição de resultados de pesquisa. A Google definiu a natureza das buscas como dinâmica e citou a localização geográfica como principal aspecto de modificação das buscas, juntamente com o idioma. Além disso, fatores relacionados ao dispositivo usado também têm influência, enquanto as trilhões de novas páginas ou registros diferentes que entram em seus servidores todos os dias podem alterar a natureza de um conjunto de links de um segundo para outro.

Por fim, a Google disse que os usuários preocupados com seu uso de telemetria nas personalizações de pesquisas podem desativar esse recurso por meio das configurações do Chrome, mantendo ou não ligadas outras opções como histórico ou cookies. Entretanto, deixou claro que mesmo isso não impedirá a exibição de resultados relacionados a elementos generalizados como os citados.

Fonte: DuckDuckGo, Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.