Funcionários da Mozilla pedem renúncia do CEO homofóbico Brendan Eich

Por Redação | 28 de Março de 2014 às 16h38

Apontado no último dia 25 de março para o posto de CEO da Mozilla Foundation, Brendan Eich já é alvo de discussões que pedem sua saída imediata do cargo. A reivindicação parte de um grupo de funcionários que discordam da posição do executivo quanto ao casamento gay, ao qual ele se opõe declaradamente, chegando até mesmo a doar dinheiro para políticos a favor da Proposição 8, que tentou banir a união homoafetiva no estado americano da Califórnia.

Um dos primeiros a se manifestar contra a indicação de Eich foi Chris McAvoy, que é diretor de projetos no setor de Open Badges da Mozilla. Ele, que é reconhecido por diversos feitos na área educacional, afirmou, pelo Twitter, que a empresa sempre se coloca a favor do empoderamento e da transparência, mas está agindo de forma completamente oposta quando o assunto é a escolha de seus gerentes.

A mensagem recebeu apoio de uma série de outros funcionários de peso da Mozilla, como Kat Braybrooke, que é líder de design e afirmou não estar de acordo com a nomeação de Eich. Emily Goligoski, também parte do time de design da companhia, disse esperar que a empresa aponte alguém que esteja mais de acordo com os valores da organização, já que ela sempre advogou a favor da liberdade de expressão e pensamento.

Como lembra o site Business Insider, antes de ser indicado como presidente da Mozilla, Eich já atuava na empresa como diretor de tecnologia. Além disso, ele próprio foi um dos fundadores da instituição, em 1998, além de ser uma das personalidades mais respeitadas do mundo da tecnologia devido à criação do protocolo JavaScript, apresentado em 1995.

Ele próprio, em seu post oficial sobre o cargo de diretor, também firmou compromisso de dar apoio à comunidade LGBT na Mozilla Foundation, mas sem fazer promessas. Ele apenas disse que irá garantir que todas as preocupações sobre o assunto sejam deixadas de lado por meio de suas ações e resultados, e não por qualquer tipo de palavra que ele venha a dizer. As declarações não parecem ter surtido muito efeito.

Por outro lado, a própria Mozilla, na figura de seu diretor executivo Mark Surman, enviou nota oficial ao Business Insider, garantindo que as ideias de inclusão, liberdade e transparência continuam sendo os grandes ideais da organização. Além disso, ele elogiou a iniciativa dos funcionários que se posicionaram contra a nomeação de Eich, já que é esse tipo de feedback que ajuda a empresa a avaliar todas as suas decisões para o futuro.

O veículo afirma ainda ter conversado com um funcionário não identificado da instituição. Ele disse que a revolta virtual, se é que pode ser chamada assim, não corresponde ao comportamento visto nos corredores da companhia. Além disso, disse que a ideia geral é que as críticas perderão força nas próximas semanas já que Eich já disse, em reuniões internas, que suas visões pessoais sobre a questão do casamento gay não influenciarão nas políticas da Mozilla.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.