Spotify volta atrás no seu código de conduta contra conteúdos odiosos

Por Natalie Rosa | 31 de Maio de 2018 às 14h25

O Spotify removeu, no início deste mês, músicas de artistas acusados de abuso sexual de suas playlists oficiais. Agora, o CEO Daniel Ek afirma que a aplicação do código de conduta em relação a estes casos foi mal administrada, confirmando o que noticiamos anteriormente, que a empresa poderia volta atrás na decisão.

A declaração do executivo, feita na Code Conference, diz ainda que a intenção da plataforma de streaming de músicas nunca foi agir como uma "polícia moral" com os artistas.

A restrição aconteceu após o Spotify anunciar uma nova política contra conteúdos odiosos e a conduta de artistas na vida pessoal. Um dos atingidos foi o rapper R. Kelly, acusado de estupro e abuso sexual, além do também rapper XXXTentacion, acusado de espancar uma mulher grávida. Imediatamente, os usuários começaram a questionar a plataforma sobre a necessidade da decisão, afetando a empresa de forma interna.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"O objetivo com isso era garantir que não tivéssemos discursos de ódio em um serviço. Nunca foi sobre punir um artista individual", conta Ek. Após o Spotify voltar atrás na decisão, as músicas de XXXTentacion voltaram às playlists, mas as de R. Kelly seguem removidas, ao menos por enquanto.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.