Receita de streaming ultrapassou os downloads de músicas, diz Warner

Por Redação | 12 de Maio de 2015 às 15h58
photo_camera Divulgação

No ano passado, quando os downloads de músicas começaram a superar as vendas de CDs, vimos um sinal de mudança radical na indústria musical. As gravadoras tiveram de se adaptar a essa nova fase caso quisessem sobreviver. Agora, outro sinal de mudança surge na indústria: em vez de pagar pelo download de faixas individuais e álbuns, os clientes estão mais dispostos a pagar por serviços de streaming.

De acordo com a Warner Music Group, o download agora é coisa do passado, e o dinheiro real está vindo do streaming. Pela primeira vez, a receita da gravadora proveniente de empresas como Spotify e YouTube ultrapassou a receita de downloads. No último trimestre, a renda dos serviços de streaming cresceu 33%, enquanto a receita de downloads cresceu apenas 7%. Isso significa que as vendas de downloads em locais como iTunes diminuiu em comparação com o mesmo período do ano anterior.

De acordo com os rumores, as grandes gravadoras estão pressionando as empresas de streaming para apertar as rédeas em suas ofertas de músicas gratuitas, uma vez que a maior parte da receita provém da comissão que elas recebem mediante assinaturas dos serviços. Para aumentar essas assinaturas, as companhias estão tentando tornar os seus pacotes premium cada vez mais atraentes.

A Apple também está se preparando para entrar com força total nesse mercado com o relançamento global do serviço Beats Music, programado para o próximo mês. Rumores já dizem que o serviço da Maçã não terá uma versão gratuita. E é esse o maior desafio da Apple. Afinal, como fazer as pessoas pagarem por um conteúdo quando o maior concorrente oferece exatamente a mesma coisa de graça? Por conta disso, a empresa está correndo atrás de vários artistas para parcerias exclusivas.

Com informações do Re/code
Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.