Novas políticas de privacidade do Spotify permitem acessar seus dados pessoais

Por Redação | 20 de Agosto de 2015 às 15h28
photo_camera Divulgação

Você é um usuário do Spotify? Se a resposta for sim, fique atento, pois o serviço promete coletar ainda mais informações pessoais sobre seus hábitos ao usar a versão móvel do aplicativo.

As mudanças fazem parte de uma atualização nos termos de uso da plataforma, que já está disponível para quem usa o programa no Reino Unido. Um desses usuários é Thomas Fox-Brewster, repórter da revista Forbes, que destacou alguns pontos da nova política de privacidade do Spotify.

De acordo com Fox-Brewster, ele recebeu um e-mail alertando sobre as alterações. Após ler o que havia mudado, o jornalista afirma que está considerando "se vale a pena pagar 10 libras por uma assinatura premium, levando em consideração o quanto abriria mão da privacidade ao concordar com os termos do serviço". Por exemplo, as novas políticas permitem que o Spotify acesse informações no seu celular para determinar sua localização. Também teria permissão para acessar seu GPS, fotos e agenda de contatos, além de compartilhar todos esses dados com outras empresas para saber exatamente o que você está (ou gostaria) ouvindo.

Dois pontos em especial da seção "Informação que Coletamos" chamaram a atenção de Fox-Brewster. São eles:

3.3 Informações armazenadas no seu dispositivo móvel

Com a sua permissão, queremos coletar informações armazenadas no seu dispositivo móvel, incluindo contatos, fotos e arquivos de mídia. Leis locais podem exigir que você autorize fornecer suas informações pessoais e contatos para o Spotify, que por sua vez pode usar esses dados para os fins previstos nesta Política de Privacidade.

3.4 Localização e sensor de informações

Dependendo do tipo de dispositivo que você usa para interagir com o Serviço e suas definições, também podemos coletar informações sobre sua localização com base, por exemplo, no GPS do seu telefone ou outras formas de identificar sua localização por meio de aparelhos móveis (como Bluetooth, por exemplo). Também podemos coletar dados do sensor (como a velocidade dos seus movimentos, ou seja, se você está correndo, andando ou no trânsito).

Para qual objetivo o Spotify quer suas fotos e contatos, isso ninguém sabe ao certo. Mas a coisa fica ainda pior: em outra parte atualizada dos termos do serviço, a empresa indica que também poderá recolher comandos de voz feitos pelo usuário em seu smartphone, desde que ele tenha dado permissão, que também não foi especificada, para obter esses dados.

Quanto ao compartilhamento desses conteúdos com parceiros, a companhia diz:

3.8 Prestadores de serviços e parceiros do Spotify

Também podemos receber informações sobre você de nossos prestadores de serviços e parceiros, para que possamos usá-las para personalizar sua experiência no Spotify, assim como medir a qualidade dos anúncios e respostas a eles, além de exibir propagandas que podem ser mais relevantes para você.

5.2.1 Marketing e publicidade

Podemos compartilhar informações com parceiros de publicidade a fim de enviar a você comunicados sobre promoções no Spotify ou para mostrar um conteúdo mais adaptado, incluindo anúncios relevantes para produtos e serviços que possam ser do seu interesse, e para entender como os usuários interagem com propagandas. As informações que compartilhamos estão em um formato que não vão identificá-lo pessoalmente.

Como você viu, os termos deixam uma interpretação vaga sobre o que exatamente seriam essas informações coletadas e compartilhadas com empresas parceiras do Spotify. Além disso, a atualização na política de privacidade parece não diferenciar os usuários gratuitos dos que possuem uma assinatura, e mesmo estes que pagam mensalmente para usar a plataforma não devem ter opções personalizadas para impedir que seus dados sejam coletados.

Em nota à Forbes, o Spotify disse estar "constantemente inovando e evoluindo seu serviço para oferecer a melhor experiência possível aos usuários. Isso significa fornecer as recomendações perfeitas para cada momento, e ajudando seus clientes a desfrutar, descobrir e compartilhar mais músicas do que nunca". A empresa também comentou que os dados acessados também vão ajudar na criação de produtos novos e personalizados para o futuro, mas que "a privacidade é e continuará sendo a maior prioridade" na ferramenta.

Fonte: Forbes

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.