Siga o @canaltech no instagram

Canções do Massacre na Praça da Paz Celestial são censuradas pelo Apple Music

Por Rafael Arbulu | 10 de Abril de 2019 às 16h41
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Jornalistas chineses descobriram que a Apple, por meio de seu serviço de streaming musical Apple Music, está censurando músicas e artistas que façam referências ao episódio conhecido como “Massacre na Praça da Paz Celestial”, onde manifestantes em favor da democracia foram atacados e mortos por forças do governo chinês.

A situação foi identificada por ativistas da Human Rights Watch, que levaram suas reclamações ao Twitter, marcando os perfis oficiais da Apple e seu CEO, Tim Cook: “Ao remover uma música que traz referências ao Massacre de Tiananmen, a Apple está ativamente participando da agenda do Partido Comunista Chinês, de apagar da memória as colossais violações que cometeu contra o povo chinês e reescrever a história”, disse Yaqiu Wang, uma pesquisadora chinesa do grupo.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A música em questão é intitulada “Ren Jian Dao”, do cantor chinês Jacky Cheung. Um trecho da canção diz, em tradução livre: “Os jovens estão bravos, o céu e a terra estão chorando… Como foi que a nossa terra se tornou esse mar de sangue?” — vale citar que a canção tem quase a mesma idade do massacre, que completa 30 anos agora em junho.

Outras canções também foram cortadas do serviço de streaming: Denise Ho e Anthony Wong, dois cantores e ativistas pró-democracia, viram seus trabalhos serem censurados pelo serviço da Apple. Ho, especificamente, é bastante popular no território chinês, mas é constantemente atacada pelo governo por suas posições políticas.

O cantor chinês Jacky Cheung, que teve uma de suas músicas mais icônicas censuradas pelo Apple Music (Imagem: Reprodução/iMDB)

Há quem argumente que esse é o preço de se fazer negócios no país asiático: ao recusar a disponibilidade das músicas referentes ao massacre, a Apple está obedecendo a uma regra não estabelecida do governo chinês. Até onde se sabe, a empresa também deixa de exibir músicas de conteúdo mais sexualizado em países islâmicos, por exemplo.

O Massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen, pela tradução livre do mandarim), ocorrido em 1989, consistiu de uma série de protestos liderados por ativistas estudantis, críticos ao governo ainda vigente. Os manifestantes pediam por reformas democráticas em várias esferas políticas, a prisão e repreensão de políticos notoriamente corruptos, liberdade de expressão e de imprensa. Depois de algumas horas de manifestação, o então premier Li Peng declarou estado marcial em Pequim, onde a praça é localizada, ordenando que os movimentos participantes fossem sufocados. Oficiais do exército chinês avançaram sobre a praça, matando manifestantes com tiros de fuzil e tanques. Oficialmente, a contagem de mortos passa de 10 mil pessoas.

“Ren Jian Dao” está disponível no Apple Music dos Estados Unidos, vale ressaltar. Ainda não se sabe se outros serviços de streaming na China seguem a mesma medida. A Apple não comentou a situação.

Fonte: Cult of Mac

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.