Zika poderá ser detectado por teste feito de papel

Por Redação | 06.05.2016 às 18:24

Cientistas do intituto Wyss da Universidade de Harvard testaram com sucesso uma nova tecnologia de detecção do vírus Zika feita à base de papel. Além do baixo custo, a nova tecnologia é prática e efetiva, apresentando os resultados de duas a três horas. Além do Zika, o dispositivo identifica os vírus da dengue comum e do chikungunya.

Uma das maiores dificuldades atuais encontrada pelos agentes de saúde é a identificação dos diferentes tipos de vírus nos pacientes. Os testes atuais são feitos por amostra de sangue e podem levar dias, ou semanas, até a chegada do resultado. O grande problema é que a amostragem identifica os anticorpos presentes no sangue e não o tipo de vírus, tornando difícil a diferenciação entre dengue e Zika.

O novo kit foi desenvolvido com base no que é utilizado para a identificação do vírus Ebola. Dentro de um cartucho, pequenas tiras de papel contêm células de identificação de cada tipo de micróbio. Os circuitos genéticos são equipados com dezenas de genes e grupos de proteínas capazes de identificar a informação contida neles. Esse sistema é análogo à programação de computadores e, juntos, genes e proteínas trabalham para a detecção do Zika. Quando o processo se inicia, o papel adquire coloração diferente de acordo com a sequência do RNA presente. Esse diagnóstico pode ser feito por amostras de sangue, urina ou saliva.

Mais testes precisam ser feitos para garantir a eficácia e segurança do processo, mas, segundo os pesquisadores, este não é um horizonte distante.

Via Gizmodo