YouTube confirma plano com assinatura paga e sem propagandas

Por Redação | 09 de Abril de 2015 às 09h40
Tudo sobre

YouTube

Sabe aquelas propagandas que sempre incomodam quando você tenta assistir a um novo vídeo no YouTube? Pois o Google está prestes a tirá-los da sua vida de uma vez por todas — a partir de um módico pagamento mensal, é claro.

Em um e-mail enviado a vários usuários do seu serviço de streaming, a empresa revelou que vai adicionar um novo sistema de assinatura para que as pessoas possam acessar o trabalho de determinado canal sem se deparar com anúncios.

Segundo ela, a intenção é gerar uma nova fonte de receita para os criadores de conteúdo além da própria publicidade. Basicamente, trata-se de uma forma de usar o engajamento de seu público para fazer com que os fãs coloquem a mão no bolso e paguem pelo que estão assistindo. Assim, além do que já ganham pelas propagandas em seus vídeos, os donos dos canais também vão receber essas "contribuições" dos fãs.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O Google ainda não comentou o valor dessas assinaturas e nem explicou se o sistema de publicidade que temos atualmente no YouTube vai passar por algum tipo de mudança para se adequar à novidade — como a duração dos comerciais ou mesmo a impossibilidade de cortá-los.

A companhia também não revelou quando as assinaturas chegarão de verdade, embora uma fonte ligada à Bloomberg tenha dito que o recurso deve ser liberado em breve.

E, por mais que seja uma medida bastante polêmica, é fácil entender por que ela está partindo para essa estratégia. Apesar de ainda ser extremamente popular, o YouTube está perdendo espaço para serviços como Netflix e Hulu e a ideia com essa nova geração de receita é incentivar os canais a criarem conteúdos inéditos e de qualidade para atrair mais pessoas para a rede.

Resta apenas saber como o público, acostumado a consumir seus vídeos sempre de graça, vai reagir a tudo isso.

Fonte: Arstechnica, Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.