Yahoo coloca prazo para ofertas de compra

Por Redação | 29.03.2016 às 12:04

Parece que os planos de venda do Yahoo deixaram de ser uma pressão de um grupo de acionistas para se tornarem uma alternativa real para a companhia. Nesta terça-feira (29), de acordo com relatos ainda não confirmados, a empresa de internet teria firmado um prazo até o dia 11 de abril para que as interessadas em uma possível aquisição revelassem valores e termos do negócio.

O processo, similar ao de um leilão ou uma licitação, mas não com o mesmo formato, claro, serve para que a diretoria estude qual o melhor caminho a seguir no caso de uma venda. As propostas servem para que o Yahoo observe, por exemplo, quais condições deve cumprir caso ocorra uma aquisição por um dos interessados, além do que eles pretendem fazer com a companhia, pelo menos em seus anos iniciais após a compra.

As informações foram reveladas à imprensa por fontes anônimas que estariam ligadas às negociações de venda do Yahoo. A data bastante próxima indicaria não apenas uma pressa em finalizar uma eventual aquisição, mas também que a ideia já corre entre a diretoria há mais tempo do que a própria empresa faz parecer. Se a data de 11 de abril for real, é possível que o negócio seja confirmado até o final do primeiro semestre.

A ideia é vender apenas o negócio central do Yahoo, com seus serviços de internet, email, Messenger e publicidade, além dos ativos asiáticos da companhia. O principal destaque dessa oferta – que muitos consideram até mesmo mais interessante que o próprio serviço online – é uma participação de US$ 30 bilhões no Alibaba, o gigante do e-commerce chinês.

A venda do Yahoo é um assunto corrente no noticiário de negócios e tecnologia há alguns meses, principalmente depois que os esforços da CEO Marissa Mayer para reorganizar a companhia e trazê-la de volta a um patamar de lucratividade não geraram os resultados esperados. Entre as empresas mais interessadas na compra estariam a operadora de telefonia Verizon e a Time Inc., gigante da comunicação que publica revistas conceituadas como a Time, Fortune, Sports Illustrated, Entertainment Weekly e People.

Por enquanto, porém, nada de confirmações. Sabe-se, por exemplo, que o Yahoo vem sofrendo forte pressão de um grupo de investidores, o Starboard Value LP, que inclusive, teria iniciado uma proxy war de forma a forçar a diretoria a iniciar o processo de compra. Não se sabe se as novas movimentações são frutos desse processo, nem se elas realmente estão acontecendo, uma vez que o Yahoo não se pronunciou sobre o assunto.

Fonte: The Wall Street Journal