UberMeninas incentiva filhas de motoristas a conhecerem a área de tecnologia

Por Redação | 23 de Janeiro de 2018 às 13h41
photo_camera Fernanda Flugel /Suellen Nobrega

Após três anos da chegada do Uber no Brasil, já são milhões de brasileiros que utilizam a plataforma diariamente, seja como motorista ou passageiro, fato que revolucionou a mobilidade urbana no País.

Agora, depois de trazer novas oportunidades de trabalho, a empresa pretende ir mais além e apresentar as tecnologias usadas no serviço às crianças.

O projeto UberMeninas, idealizado pela Uber em parceria com a organização Força Meninas, tem como objetivo incentivar a participação feminina no mercado tecnológico, área que ainda conta com predominância masculina. Durante as férias de janeiro, 100 garotas de 6 a 10 anos de idade vêm participando do projeto que foca em noções de autoestima, liderança e inspiração.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"É sabido que, entre o ensino fundamental e ensino médio, a autoestima das meninas sofre uma queda três vezes maior do que a dos meninos. Isso afeta em cheio a escolha da carreira a ser seguida. O que esperamos com o UberMeninas é inspirar essas crianças a sonhar alto e dar ferramentas a elas para que sejam capazes de defender suas escolhas no futuro, sejam elas quais forem", conta a fundadora do Força Meninas, Deborah De Mari.

Entre as palestrantes do evento está Lara Franciulli, de 17 anos, duas vezes medalhista de ouro na Olimpíada Brasileira de Informática, também vencedora do programa Incríveis Kids, do NatGeo.

Também participa do UberMeninas Deborah De Angelo, 19 anos, empreendedora e criadora do aplicativo Sonya para deficientes visuais. A ex-participante do MasterChef júnior, Valentina Schulz, também participa do projeto em um bate-papo sobre youtubers.

O Força Meninas é uma plataforma educativa que já impactou mais de 33 mil pessoas, entre garotas de 6 a 28 anos e mães. Até 2019, a meta é que o projeto chegue até duas mil meninas por meio parcerias de escolas e iniciativas públicas e privadas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.