Uber usou ferramenta secreta para enganar autoridades no mundo todo

Por Redação | 03.03.2017 às 20:12
photo_camera Divulgação

A Uber, que vem lidando com uma série de problemas, entre eles as acusações de ex-funcionários sobre uma cultura de sexismo na companhia e de suposto roubo de propriedade intelectual, tem seu nome envolvido em uma nova polêmica.

Segundo ex-funcionários relataram ao The New York Times, a empresa está engajada, durante anos, em um programa mundial para enganar autoridades em mercados onde seu serviço de transporte estava sofrendo resistência por agências regulatórias ou, em alguns casos, tinha sido banido.

O programa envolve uma ferramenta chamada Greyball que usa os dados coletados do app da Uber e outras técnicas para identificar e escapar das autoridades. A Uber usou esses métodos para fugir de autoridades em cidades como Boston, Paris e Las Vegas, e em países como Austrália, China, Itália e Coréia do Sul.

A ferramenta faz parte de um programa mais amplo chamado VTOS, abreviação de "violação dos termos de serviço", que a Uber criou para erradicar as pessoas que achava que estavam usando ou visando seu serviço de forma inadequada. Eles foram adotados em 2014 e permanecem em uso, principalmente fora dos Estados Unidos.

Em um momento em que a Uber já está sob escrutínio por conta de sua cultura de trabalho, o uso do sistema Greyball mostra até que ponto a empresa está disposta a ir para dominar o seu mercado. A companhia tem violado leis e regulamentações para obter vantagem contra os provedores de serviços de transporte, um “modus operandi” que ajudou a expandi-la em mais de 70 países e lhe rendeu uma avaliação de cerca de US$ 70 bilhões.

Fonte: New York Times