Tim Cook pode ser preso, acreditam especialistas; entenda o motivo

Por Redação | 02 de Março de 2016 às 16h45
photo_camera Divulgação

Na última terça-feira (1), Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook para a América Latina, foi preso em São Paulo devido ao descumprimento de uma determinação judicial que exigia que a rede social quebrasse o sigilo de mensagens trocadas no WhatsApp para ajudar numa investigação policial. Enquanto isso, nos Estados Unidos, Tim Cook está no meio de uma batalha judicial contra o FBI, que por sua vez obrigou a Apple a burlar a criptografia do iPhone de um terrorista.

São casos bastante parecidos, pois envolvem infrigir os sistemas de segurança desenvolvidos pelas empresas para casos ligados à polícia. A diferença é que o CEO da Maçã, ao contrário do VP do Facebook, não foi detido, mas só porque a gigante de Cupertino não descumpriu nenhuma ordem judicial, nem foi condenada a cooperar com a justiça. No entanto, alguns especialistas acreditam que esse quadro pode mudar se órgão federal americano sair vitorioso.

Em entrevista ao site Fast Company, o advogado Peter Fu não descarta que Cook acabe preso após ser responsabilizado pessoalmente caso desafie uma ordem judicial. Na opinião de Fu, isso se tornaria possível apenas se o caso fosse levado ao Supremo Tribunal e a Apple perdesse, mas ainda assim se recusasse a ajudar.

"Nestas circunstâncias, há um universo de possibilidades no qual Tim Cook poderia ir para cadeia por se recusar a cumprir uma ordem legal do tribunal. Isto porque a Apple já declarou publicamente que não irá cumprir com uma ordem judicial para desbloquear o iPhone, e como tal, necessariamente obriga os tribunais a favorecer a punição através de coerção", disse.

Em contrapartida, Stephen Vladeck, especialista na lei nacional de segurança na American University, discorda desse ponto de visa ao afirmar que é a Apple, a companhia, que está no centro das discussões, e não seu presidente-executivo, Tim Cook. Logo, a empresa seria potencialmente suscetível a uma condenação, e não seu CEO.

Mesmo assim, parece haver um consenso sobre duas coisas. Em primeiro lugar, a Apple continuará a salvo enquanto contestar o caso, ou seja, enquanto o Supremo Tribunal decidir a seu favor. Os especialistas também destacam que é extremamente improvável a empresa enfrentar qualquer repercussão negativa enquano ainda estiver trabalhando no seu processo de apelação.

Em segundo lugar, se a Apple estiver disposta a enfrentar uma eventual decisão da Suprema Corte, a companhia também deverá estar preparada para multas substanciais. O Yahoo, por exemplo, já foi ameaçado em multas de US$ 250 mil para cada dia em que descumprisse uma ordem do governo. Essa multa diária duplicou de valor para cada semana em que a corporação continuou se recusando a cooperar com as autoridades.

Como pondera Ben Lovejoy, do 9to5Mac, a Apple é uma empresa conhecida por cumprir as leis de seu país, o que significa ser improvável que a entidade continuaria lutando caso perdesse o caso na corte suprema. Para os especialistas, o cenário mais realista indica que, caso a Maçã perca no tribunal, ela acarretará a decisão final, mas não sem uma importante consequência: a partir daí, a companhia trabalharia em novas tecnologias que tornariam impossível que o FBI, órgãos governamentais e até a própria Apple consigam quebrar a criptografia de futuros modelos do iPhone.

Consequências

Apple x FBI

O maior receio da Apple é que, se sair perdedora do caso, o FBI consiga abrir um precedente que colocaria em risco a segurança dos milhões de usuários do iPhone em todo o mundo. Só que esse cenário vai além: para Jennifer Granick, diretora de Liberdades Civis do Centro de Internet e Sociedade da Universidade Stanford, na Califórnia, um dos principais argumentos da empresa na disputa com o FBI é que esse precedente também seja usado em países cujos governos desrespeitem direitos humanos.

"Ao se recusar a mudar seu sistema, a Apple diz querer garantir que informações privadas não sejam usadas por governos que perseguem homossexuais ou minorias religiosas, por exemplo. Se a Apple fragilizar sua segurança, outros países poderão forçá-la a ceder informações – e nem sempre por motivos legítimos", disse Granick à BBC Brasil. A diretora acredita que a prisão do executivo do Facebook por aqui poderia reforçar a posição da entidade americana.

Granick cita uma diferença entre a disputa americana e a brasileira. Ela afirma que nos Estados Unidos há um sentimento geral de que executivos de empresas envolvidas em conflitos sobre privacidade não são criminosos e não deveriam ser presos.

Contudo, os EUA sinalizam que podem adotar medidas mais drásticas. Neste caso, Granick alega que o governo americano tem usado um discurso "bastante agressivo" com as empresas de tecnologia e não descarta que autoridades tentem prender executivos no futuro, sob a acusação de que, caso não cooperem em determinadas situações, estariam colocando em risco a segurança nacional.

Ahmed Ghappour, que leciona curso sobre liberdade, segurança e tecnologia na Universidade da Califórnia em Hastings, afirmou que diplomatas americanos deverão buscar colegas brasileiros para abordar a prisão do Diego Dzodan. "Embora a prisão do executivo do Facebook se insira num debate global sobre soberania e o que governos podem forçar empresas a fazer, a companhia deverá tratar a prisão como um caso localizado e basear sua defesa em especificidades da legislação brasileira", explicou.

Com informações do 9to5Mac, Fast Company, BBC Brasil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.