Spotify fecha acordo de licenciamento com a Warner Music

Por Redação | 25 de Agosto de 2017 às 12h08
photo_camera Divulgação

O ciclo, finalmente, está fechado. Nesta sexta-feira (25), o Spotify anunciou que finalmente chegou a um acordo com a Warner Music, a única gravadora que faltava para que todos os maiores selos do mundo estivessem em paz com o serviço de streaming. Os termos do acordo, entretanto, não foram divulgados.

Em nota oficial, a plataforma afirmou apenas que o acordo com a Warner é um grande passo no que chama de “nova economia musical”, com milhões de faixas, agora, adicionadas oficialmente ao serviço. A gravadora concorda com as afirmações e diz que o contrato pavimenta o caminho para o futuro do mercado fonográfico, trazendo mais comodidade aos fãs e valor ao trabalho dos artistas.

As condições do acordo não foram reveladas oficialmente, mas a Warner Music fala em um “conjunto de termos balanceado”. Bem provavelmente, as regras são parecidas com as dos contratos firmados com outras gravadoras, elevando o valor pago em royalties por reprodução em troca da presença de nomes renomados da indústria no Spotify.

Outros elementos das parcerias firmadas com a concorrência também devem aparecer aqui, como a exclusividade de novos lançamentos somente para usuários pagantes por algumas semanas ou meses. Essa possibilidade é vista como uma das maiores moedas de troca do Spotify para garantir bons acordos, uma vez que a chegada de novos álbuns em um dos maiores serviços do mundo dá grande visibilidade aos astros, ao mesmo tempo em que pode atrair novos assinantes.

Também é uma alternativa que não gera rombo nas contas, uma vez que aqueles que pagam a mensalidade contribuem financeiramente para a plataforma, um valor que acaba sendo repassado aos músicos. As contas do Spotify estão no centro da pendenga entre o serviço e as gravadoras, uma vez que a maioria dos utilizadores atuais, mais da metade da base, utiliza a versão gratuita, cujo suporte a anúncios não gera a receita adequada para o bom pagamento de royalties.

Tudo, agora, muda, e com a exceção de artistas independentes, associações de músicos regionais e alguns processos na justiça, o caminho é livre para a abertura de capital. O Spotify evita falar diretamente sobre esse assunto, mas, no passado, já deu a entender que um IPO deve acontecer no início do ano que vem, uma notícia que fez muito investidor sorrir. Agora que a presença de grandes gravadoras e artistas está confirmada, eles podem passar às gargalhadas.

A Warner Music é uma das maiores gravadoras do mundo, representando nomes como Coldplay, Madonna, Linkin Park, Metallica, Prince, Frank Sinatra, Avenged Sevenfold e até a brasileira Anitta. Além destes, o Spotify já tem contratos assinados e vigentes com outros selos como a Sony e a Universal, além da Merlin, um dos principais representantes no mercado independente.

Fonte: Warner Music Group, Engadget