Sony pretende incluir opção de 'carregamento suave' em seus smartphones

Por Redação | 25 de Junho de 2016 às 14h15

A principal vantagem do padrão íon-lítio em relação às baterias de níquel utilizadas no início dos anos 2000 é que ele não sofre dos conhecidos "vícios" que a tecnologia anterior apresentava. No entanto, isso não significa que uma bateria recente não vai ter sua autonomia reduzida com o passar dos anos.

Para tentar diminuir o desgaste natural das baterias atuais, a Sony está realizando testes com um método de carregamento mais lento, mas que também pode aumentar o número de ciclos suportados por uma bateria até que ela apresente problemas. A empresa pretende incluir na próxima atualização de software dos Xperias Z2, Z3 e Z3 Compact, uma opção chamada 'carregamento suave', onde o usuário pode optar por um carregamento mais lento, mas que a longo prazo garantirá ao seu gadget uma bateria saudável por mais tempo.

Atualmente, a grande maioria das baterias presentes em smartphones e outros gadgets funciona a base de ciclos de carregamento: em suma, um ciclo se fecha a cada vez que você esgota sua bateria e completa uma carga novamente. Em geral, as atuais baterias de íon-lítio suportam entre 300 e 400 ciclos até que comecem a apresentar problemas e, assim que esse número é batido, a capacidade energética da bateria se reduz até que chegue num ponto inutilizável para o usuário.

Carregamento suave Xperia

A novidade já está disponível para os donos do Xperia Z3 que participarem do programa de atualizações beta da empresa (Foto: Reprodução/Xperia Blog)

Embora esse comportamento seja uma característica irreversível da tecnologia, já que as baterias usam reações químicas para estocar e fornecer energia, é possível aumentar a sobrevida de uma bateria apenas retardando o seu carregamento, o que faz parte do plano da Sony.

Por mais que a ideia de trocar a velocidade de carregamento pela longevidade de sua bateria soe como algo interessante no início, o método vai na contramão do que é apresentado por outras fabricantes, que optam por oferecer baterias não tão grandes mas que contam com carregamento ultrarrápido. Se pensarmos que a grande maioria das pessoas troca de smartphone num tempo relativamente pequeno, é muito muito provável que que o usuário se desfaça do seu gadget antes mesmo de sofrer com o desgaste desse componente.

De qualquer forma, é possível esperar que a novidade seja bem recebida já que se trata de uma opção controlada por software, o que permite ao próprio usuário decidir se quer ou não que sua bateria seja carregada mais lentamente.

Fonte: Android Authority

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.