Software da IBM poderá prever esquizofrenia com base no nosso modo de falar

Por Redação | 08 de Setembro de 2015 às 09h27

Transtorno mental crônico que atinge cerca de 1% da população mundial, a esquizofrenia é uma doença de diagnóstico confuso no estágio inicial. Essa dificuldade, no entanto, pode mudar graças a um novo software que promete ajudar - e muito - na identificação precoce do problema. Em parceria com a Universidade de Columbia (Estados Unidos), a Universidade de Buenos Aires e a Universidade Federal de Pernambuco, a IBM desenvolveu um programa capaz de identificar padrões nas falas das pessoas e apontar, com alto nível de precisão, a incidência da doença.

As principais consequências dessa psicopatologia envolvem delírios, alucinações, impulsos agressivos, pensamentos desorganizados e até mesmo perda da habilidade motora. Pessoas suscetíveis à doença tendem a apresentar diferenças na estrutura da fala, mesmo que com discrição, e psicólogos e psiquiatras costumam prestar atenção no padrão de fala desses possíveis pacientes como uma forma de auxiliar o diagnóstico precoce. O objetivo da IBM é reforçar essa identificação. Seus pesquisadores testaram por dois anos e meio um software de análise de fala que foi capaz de identificar, com precisão, quais dos 34 pacientes avaliados desenvolveriam a esquizofrenia.

esquizofrenia

Tomografia por emissão de pósitrons comparando um cérebro normal com o cérebro de um paciente de esquizofrenia (Reprodução: Photo Researches, Inc.)

Softwares auxiliares para a detecção da doença já existiram, mas parâmetro principal deles era a comparação dos padrões de fala dos pacientes com seus familiares, ou pessoas sem transtornos mentais, o que é bastante falho. Já o novo programa da IBM utiliza uma ferramenta chamada Natural Language Toolkit para analisar as frases ditas pelos indivíduos, observando padrões e detectando incoerências.

Guillermo Cecchi, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo, conta que pessoas com propensão ao transtorno costumam apresentar rompimentos bruscos no significado de uma sentença. "Quando as pessoas falam, elas podem conversar com frases curtas e simples, ou elas podem falar em sentenças mais longas e complexas, adicionando orações mais elaboradas que descrevem a ideia principal. Entretanto, frases simples e incoerência semântica tendem a caminharem juntas na esquizofrenia", explica.

Apesar do software ter sido testado com apenas 34 pacientes, seus resultados impressionam. Enquanto avaliações por meios tradicionais resultaram em 79% de precisão, o programa acertou 100%. A partir de agora, o software deverá ser testado em um número maior de pacientes para que possa ser usado como auxiliar de especialistas de saúde mental na detecção precoce da doença.

Fonte: The Atlantic, Nature.com