Senadora americana critica Apple, Google e Amazon por impedirem concorrência

Por Redação | 01 de Julho de 2016 às 11h38

A senadora americana Elizabeth Warren, eleita por Massachussets, criticou duramente Apple, Google e Amazon em um discurso nesta semana, alegando que as três companhias abusam de sua posição no mercado como gigantes da tecnologia para impedirem a chegada e o crescimento da concorrência. Disposta a lançar uma importante polêmica sobre o assunto, Warren é cogitada como futura vice-presidente na chapa de Hillary Clinton nas eleições presidenciais que acontecerão neste ano nos Estados Unidos.

Segundo a senadora, o Google praticamente obriga os usuários a criarem uma conta no Google+, enquanto que a Apple utiliza o iOS para impedir que seus concorrentes consigam "oferecer serviços de streaming competitivos" que possam fazer frente ao Apple Music. Quanto a Amazon, Warren criticou a empresa por utilizar "sua posição como livraria dominante" para manipular os consumidores com o objetivo de adquirirem seus livros em detrimento de outras editoras.

"Google, Apple e Amazon criaram tecnologia disruptivas que mudaram o mundo, e merecem o sucesso e o lucro que têm", afirmou a senadora. "Mas as portas devem permanecer abertas para novos e pequenos competidores, para que estes também tenham a chance de mudar o mundo mais uma vez". Warren também questionou os políticos e os órgãos de fiscalização que abandonaram a responsabilidade de "restaurar e defender a concorrência", salientando que é necessário que as leis sobre o assunto precisam ser cumpridas.

A discussão sobre o domínio das grandes companhias de tecnologia e o uso de suas posições para sustentar uma espécie de monopólio não é algo novo. Na Europa, o Google tem sido acusado de violar leis antitruste, já que a empresa prejudica todos os seus competidores diretos, e pode receber uma multa bilionária. Ainda que as leis de concorrência sejam mais brandas nos Estados Unidos do que na Europa, a política parece estar disposta a mudar a maneira como as principais empresas de tecnologia atuam no país.

Walmart e Comcast também foram criticadas por Warren em seu discurso, mas, estranhamente, a senadora poupou o Facebook, que tem sido alvo constante de críticas no setor de mídia por desfavorecer vários editores e produtores de conteúdo. É pouco provável que a senadora de Massachussets venha a intensificar as críticas contra Apple, Google e Amazon caso venha a ser confirmada como candidata a chapa de Clinton pelo partido democrata. Mas, ao que parece, ela está disposta a mudar algumas leis e favorecer os pequenos competidores do mercado.

Fonte: Re/Code