Segundo relatório oficial, a HTC teve queda de 64% nas suas vendas desse ano

Por Redação | 09.05.2016 às 20:22

As coisas não parecem ir muito bem para a HTC. A empresa liberou hoje (9) o primeiro relatório para o seu ano fiscal de 2016, e nele seus executivos detalharam os planos para contornar o que é o quarto trimestre de prejuízo consecutivo da gigante taiwanesa. Embora tenha lançado recentemente o mais novo topo de linha para esse ano, o HTC 10, os papéis revelam que a fabricante perdeu dolorosos 148 milhões de dólares americanos entre os dias 1º de Janeiro e 31 de março.

Como se já não bastasse, o faturamento comparado aos resultados de 2015 também foi menor: no ano passado os lucros da marca passavam da casa de US$ 1,2 bilhão. Já no mesmo período deste ano, os ganhos foram abaixo de meio bilhão. A perda representa uma queda de 64% nas contas da HTC e têm preocupado os acionistas e dirigentes da empresa, embora muitos deles tentem ser otimistas, alegando que nesse primeiro resultado as vendas do HTC 10 e do óculos de realidade virtual HTC Vive não foram contabilizadas. Ainda é preciso lembrá-los que nos números do mesmo intervalo em 2015 as vendas do HTC One M9 também não haviam sido adicionadas aos ganhos.

HTC

Uma das grandes apostas da companhia para 2016 é seu óculos de realidade virtual, o HTC Vive (Imagem/Reprod.: HTC)

Para o futuro, a fabricante quer reduzir custos e aumentar suas vendas, é claro. Em uma nota oficial dada à imprensa, a atual CEO, Chialin Chang, se esquivou de dar muitos detalhes sobre os caminhos a serem seguidos com os futuros lançamentos, mas disse que o foco desse e dos próximos trimestres é tirar o peso desnecessário das costas da empresa. Para isso, a marca tem diminuído rigorosamente suas operações e até mesmo vendido algumas de suas fábricas e propriedades. Agora, o plano envolve tornar-se uma empresa menor e mais eficiente, para perder a onipresença do nome HTC no mercado em troca de ganhar a fidelidade de alguns clientes.

Embora seja focada na produção de smartphones, a taiwanesa também é responsável pela fabricação de componentes para outras empresas da tecnologia, como baterias e circuitos eletrônicos. É justamente nesse setor que a direção tem se apoiado para por a produção de gadgets de volta nos trilhos.

No fim de suas declarações, Chang também afirmou que numa análise mais otimista é possível que a HTC alavanque até mesmo suas vendas diretas. Para isso, a CEO conta exclusivamente com o novo smartphone e o aparelho VR lançados recentemente.

Será que apenas os dois aparelhos conseguem melhorar os resultados da empresa para este ano?

Via: Engadget