Segmento de gestão de serviços em campo movimentará US$ 3,5 bi até 2019

Por Redação | 05.07.2016 às 17:47

Segundo um estudo realizado pela MarketsandMarkets, estima-se que o faturamento mundial do segmento de gestão de serviços em campo (GSC) ultrapasse a marca de US$ 3,5 bilhões até o ano de 2019. Em 2015, este valor foi de US$ 1,58 bilhões, mostrando que a previsão é de crescimento acentuado. O estudo "Previsões Globais do Mercado de Gestão de Serviços em Campo até 2019" mostra que apesar de um bom crescimento, o segmento ainda dispõe de técnicos e engenheiros alocados em campo conduzidos de maneira bastante tradicional e hierárquica.

O estudo mostra que para que as empresas possam sobreviver e prosperar no século 21 é necessário adotar o que há de mais inovador em tecnologias móveis e na nuvem. Isso se deve ao fato dos consumidores estarem acostumados a receberem respostas e atualizações mais rápidas e flexíveis. Com a computação em nuvem e a onipresença dos dispositivos móveis, as organizações que operam in loco podem redesenhar todo o processo de gestão de serviço em campo. Assim, elas poderão beneficiar tanto o negócios e os profissionais que atuam no setor, como os clientes, visto que poderão garantir que todos tenham acesso às informações que desejam, quando e onde precisarem. Para Tim Faulkner, vice-presidente sênior da ClickSoftware para Europa, Oriente Médio e África, "a chave para a satisfação é garantir que o serviço seja o mais suave e eficiente possível e que o cliente seja informado em todos os momentos".

Além de estar em conjunto com a mobilidade, a nuvem atua como um grande nivelador que permite que cada empresa, independente do porte, adote e aperfeiçoe as mesmas aplicações e processos, elevando o patamar do atendimento prestado aos clientes. Com essas soluções, as empresas e seus técnicos podem operar de maneira mais ágil, flexível e responsável. "A verdadeira inovação só ocorre de fato quando a nuvem e a tecnologia móvel são implantadas de forma a permitir que os técnicos em campo otimizem tanto o trabalho como a comunicação com a central, recebendo informações em tempo real", disse Faulkner.

Através do estudo da MarketsandMarkets foi possível notar que o uso das tecnologias de nuvem não só para a comunicação dos técnicos, mas também para autorizar e inspirar a tomada de decisões, afeta diretamente na satisfação dos clientes, tendo em vista que a organização torna-se mais ágil e focada no cliente. A mobilidade e nuvem também impactam na produtividade, auxiliando as empresas a desenvolverem uma infraestrutura muito mais colaborativa e que permite tirar o máximo de proveito a cada situação.

Em resumo, o estudo mostra que a nuvem e mobilidade são o futuro da indústria e que é fundamental que as empresas de serviço em campo consigam usufruir delas para não perderem espaço para seus concorrentes.