Samsung quer voltar a vender Galaxy Note7 remanufaturado com bateria menor

Por Redação | 21 de Fevereiro de 2017 às 09h08
TUDO SOBRE

Galaxy Note 7

A Samsung não larga do Galaxy Note7 e agora está planejando colocar o phablet explosivo de volta ao mercado, remanufaturado e com bateria menor, informou o Korean Economic Daily nesta segunda-feira (20).

O dispositivo havia sido retirado do mercado no fim do ano passado após sucessivos relatos de que ele estava pegando fogo e explodindo sem qualquer motivo aparente. Investigações posteriores concluíram que a causa do problema eram as baterias instaladas nos aparelhos, o que forçou o fim prematuro do ciclo de vida do dispositivo.

Agora, entretanto, a Samsung está planejando trazer o Galaxy Note7 de volta ao mercado. A diferença é que o aparelho chegaria remanufaturado e com uma bateria menor, com capacidade de "3.000 a 3.200 mAh", informou o periódico sul-coreano. É uma redução de pelo menos 300 mAh em relação à problemática bateria original de 3.500 mAh que vinha no phablet.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

E o objetivo da companhia com a atitude é bastante claro: recuperar pelo menos um pouco do prejuízo financeiro causado pelo Galaxy Note7, seja devido ao recall ou às multas ambientais que a Samsung sofrerá por ter de descartar cerca de 2,5 milhões de aparelhos.

Ainda não houve nenhum anúncio oficial a respeito dessa decisão, mas a própria Samsung já deu a entender que poderia fazer isso antes mesmo de as investigações concluírem qual era o problema do phablet. "[A Samsung] Está considerando alternativas que possam minimizar o impacto ambiental do recall [do Galaxy Note7]", disse um porta-voz da companhia à época. Relançar os aparelhos no mercado, ainda que remanufaturados, seria uma opção viável, nesse caso.

Por enquanto a empresa não comentou o rumor, mas o próprio Korean Economic Daily indica que o Galaxy Note7 retornará às lojas em junho deste ano. A pergunta que fica é esta: será que vai ter gente disposta a comprá-lo? Você compraria? Conta para gente nos comentários aqui embaixo.

Fonte: The Korean Economic Daily (traduzido), ZDNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.