Samsung pode demitir 10% de seus empregados — e o iPhone tem culpa nisso

Por Redação | 08 de Setembro de 2015 às 17h01

Acontece nesta quarta-feira (9) o evento em que a Apple deve anunciar seus novos produtos, entre eles os novos modelos de iPhone. O lançamento dos gadgets não é muito esperado apenas pelos consumidores, mas também pela imprensa, investidores e principalmente por suas rivais. Entre elas a Samsung, que devido à chegada do suposto iPhone 6s, em breve pode tomar uma medida que vai impactar diretamente seus funcionários.

De acordo com o jornal Korea Economic Daily, a fabricante sul-coreana está prestes a cortar 10% de sua força de trabalho. Sem citar nomes específicos, a publicação afirma que serão demitidos cerca de 10.000 profissionais de áreas como recursos humanos, relações públicas e finanças.

Especialistas afirmam que a decisão de demitir tantos empregados é uma manobra necessária para reduzir os custos operacionais da Samsung, ainda mais após a empresa ter fechado vários trimestres no vermelho. "Cortar vagas de emprego é a maneira mais fácil de controlar gastos e, com isso, os negócios da divisão mobile da Samsung podem ser melhor administrados. A companhia se prepara para apertar o cinto, pois é provável que a entidade não tenha um crescimento tão rápido nos próximos anos", destacou Chung Chang Won, analista da firma Nomura Holdings.

Sabe-se que o mercado de smartphones na China — o maior do mundo — está em desaceleração, e várias fabricantes estão sendo afetadas. Contudo, Won explica que a Samsung é a empresa que mais tem se prejudicado nesse cenário. Além de ter perdido a primeira posição no ranking de companhias que mais vendem celulares no país, a sul-coreana está vendo sua fatia ser roubada pela concorrência. Duas em especial chamam a atenção: Apple e Xiaomi.

Sob a vice-presidência do brasileiro Hugo Barra, a Xiaomi já foi taxada inúmeras vezes de "Apple oriental", mas agora conquistou um lugar próprio por oferecer aparelhos com custo benefício para vários tipos de usuários. Atualmente, a companhia é a que mais vende smartphones entre os consumidores chineses, seguida da Huawei e pela Apple, segundo dados recentes de uma pesquisa encomendada pela Counterpoint Research.

Enquanto isso, a empresa da Maçã viu seu negócio crescer no mercado chinês em pouco tempo desde o ano passado, quando foram lançados os iPhones 6 e 6 Plus. Este último, o modelo maior, é o que tem feito mais sucesso, já que a maioria dos chineses prefere dispositivos com telas acima das cinco polegadas. Agora que a gigante de Cupertino está prestes a anunciar a próxima geração do iPhone, tudo indica que a Samsung pode perder ainda mais espaço na China — o que levará às futuras demissões em sua força de trabalho.

Estima-se que a Samsung, que anunciou novos dispositivos há cerca de duas semanas antes do evento da Apple neste 9 de setembro, arrecade o equivalente a 200,2 trilhões de wons até o final deste ano, contra 206,2 trilhões de wons (US$ 171 bilhões) em 2014. Até 30 de junho de 2015, a Samsung tinha um total de 98.999 empregados.

Fonte: Bloomberg

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.