Samsung Gear IconX [Análise]

Por Adriano Ponte | 09.03.2017 às 15:40
photo_camera Canaltech

Fones de ouvido podem ser um problema e tanto para quem gosta de praticar esportes, tanto pelo encaixe (que pode atrapalhar) quanto pela falta de "extras" para esses momentos. A Samsung pensou nisso. Será que ela acertou? Confira nesta análise completa do Samsung Gear IconX.

Talvez caiba no seu ouvido

Começando pelo que é o Gear IconX. Falamos de fones de ouvido, sem fio, compactos e voltados para a prática de esportes. O produto traz duas unidades independentes no kit, que podem (ou não) ser usadas em conjunto para ouvir músicas durante os treinos e exercícios físicos, sendo elas streaming via Bluetooth do que acontece no seu celular ou a reprodução de faixas na memória interna dos fones.

O peso dessa peça é de pouco mais de 6 gramas, e existem 3 ajustes possíveis com as peças fornecidas com o IconX em sua caixa - porém não se engane, todas as possibilidades são baseadas no uso intra-auricular para dar suporte à unidade.

Para usar, você terá que cravar esta enorme peça no seu ouvido. Dessa forma, mesmo algum tempo após o encaixe, será possível sentir uma pressão constante no ouvido durante o uso do IconX. Dada essa natureza, é possível notar alguma retenção de calor no mesmo período.

Ao manusear o IconX, é possível notar alguns detalhes mais finos; o primeiro deles é a presença de diversos contatos metálicos em cada peça, conectores esses que permitem a recarga dos fones. Segundo a Samsung, é recomendável manter sempre limpos os terminais a fim de evitar oxidações e garantir o bom contato com as contrapartes de metal que ficam em sua base de carregamento.

Ainda manuseando a peça, podemos notar uma região mais escura e vítrea; esse é o local onde os fones dispõem do leitor de batimentos cardíacos do usuário - isso, esse par de fones é de fato focado em fitness, e o acompanhamento cardíaco automático está no meio disso tudo, somado às leituras de movimento obtidas pelo acelerômetro integrado.

Como não contam com visor nas peças ou no estojo, é no seu celular que você verá informações adicionais (como a frequência cardíaca média), e para isso basta instalar o app do Gear/S-Health num smartphone compatível (ou seja, com Android 4.4 ou superior e que tenha pelo menos 1,5 GB de memória RAM). Por ele você poderá conferir esse tipo de informação sobre seus treinos usando o dispositivo. Para iniciar um treino no Gear IconX, basta tocar e segurar o lado dos fones escolhido por você no APP como "lado dominante", e soltar o toque ao ouvir a opção de iniciar treino. Ao final do exercício, basta repetir o processo para finalizar o acompanhamento e ouvir o resumo daquela sessão.

Os comandos de toque são simples, e a sensibilidade da parte externa da peça para isso é boa. Basta um toque para pausar/continuar uma música, deslizar sobre área para cima ou para baixo para controlar o volume e assim por diante.

Tocar e segurar pode registrar um treino, como dissemos, porém manter a área pressionada "avança" pelos menus sonoros, e é possível ligar o som ambiente nesse processo. O som ambiente é uma forma de não isolar completamente o usuário de perigos potenciais (caso você esteja correndo na calçada, beirando uma rua com carros próximos, por exemplo). Se você ativar este modo, os microfones do IconX captarão o som ambiente e o reproduzirão junto com a música.

É um recurso interessante, afinal a vedação dos fones pode não ser das melhores, porém com música alta fica impossível ouvir buzinadas ou gritos, coisas importantes para um dia-a-dia sem incidentes.

Você dispõe de um armazenamento interno de 4GB no IconX para levar suas músicas com você, e poderá reproduzir as faixas sincronizadas em qualquer lugar (sem ajuda de um smartphone); de forma complementar, atender ligações é possível pelo fone (que conta com microfones de boa qualidade); porém separemos as experiências em duas.

As ligações no fone são boas. Ouve-se bem seu contato, e sua voz é bem captada pelo IconX, realizando assim seu papel. Eventuais interferências podem ocorrer por causa do Bluetooth, que aparenta ter apenas estabilidade "ok" no modelo.

Agora, as músicas. Nessa hora você notará que a qualidade das ligações é mais ou menos a experiência do que o IconX pode fazer. O som não é envolvente, e apenas traz a sensação de que "é mais um fone qualquer". Muito do mérito do IconX é que o modelo já está penetrado no seu ouvido, situação onde muitos fones "de marca questionável" já conseguem algum resultado "ok". Para nós, faltou muito na qualidade das músicas, dada a fabricante e a proposta do Gear, principalmente na estabilidade das frequências médias e no peso dos graves.

Essas pequenas peças precisam de energia. Se você usar de forma ativa (ou seja, monitorar seus treinos), espere uma vida útil por carga que varia de 1 a 2 horas, podendo ser esse valor um pouco maior se o aparelho for usado apenas para música. Não é de se espantar, afinal 6g não podem carregar muita energia para um dispositivo de áudio (algo que consome uma boa energia).

Para carregar os fones, basta passar pelo "higiênico" processo de remover eles da orelha e colocá-los em seu estojo de carregamento... mas recomendamos que você limpe eles antes disso, sem dúvidas.

Nesse estojo de recarga temos 315 mAh esperando o IconX, algo que permite até 5 recargas nos fones segundo as especificações. Uma recarga significa uma boa pausa na sua música ou atividade, sendo esperado pelo menos meia hora no estojo para que a utilização seja possível novamente. Num cenário onde você está guardando eles, OK - numa pausa por falta de energia pode ser um problema.

De forma alguma isso nos incomodou como o mau contato no carregamento; lembram que existe a instrução de manter o IconX limpo nos contatos? Isso se reflete muito aqui, sendo bem comum colocar ambos para recarga e notar que um deles está com uma luz vermelha piscando, indicando que "algo de errado não está certo".

Vale a pena?

Voltado para esportes, mas contando com resistência apenas a respingos de água (e não submersão ou lavagem adequada), temos um IconX com preço médio de R$ 1.200,00 - valor salgado para um produto que parece um pato dos fones de ouvido: ele faz um pouco de cada função, mas não executa nenhuma MUITO bem.

O pato nada, voa e anda, mas não faz nenhuma das três tarefas direito. Essa é a analogia com o IconX, com seu encaixe questionável e preço salgado. Afinal de contas, isso é bom para quem pratica esportes? Ele tem o formato ideal, faz o que precisa? Conta pra gente nos comentários.