Rival do Uber na China levanta mais US$ 1 bilhão em investimentos

Por Redação | 25.02.2016 às 13:40

Se a batalha do Uber na China já era difícil, ela está prestes a ficar pior. O Didi Kuaidi, serviço de transporte privado que é seu grande concorrente no país, anunciou nesta quinta-feira (25) que recebeu um investimento de US$ 1 bilhão voltado para, justamente, aumentar ainda mais sua presença no país asiático e combater o rival.

Formado em fevereiro de 2015, o Didi Kuaidi surgiu a partir da fusão de duas das maiores companhias de táxis da China. Percebendo rapidamente o movimento dos clientes na direção dos serviços mais personalizados e luxuosos dos aplicativos como o Uber, a empresa aproveita seu expertise e, acima de tudo, o tradicionalismo, dois aspectos que já a transformaram em uma das maiores operadoras de transporte privado do país – incomodando até mesmo seus antigos colegas, os taxistas.

Em apenas um ano, a companhia já passa por sua terceira rodada de investimentos, e aqui, falamos apenas daquelas que foram divulgadas oficialmente. Em setembro, por exemplo, a empresa recebeu US$ 3 bilhões para continuar crescendo e, agora, recebe um novo aporte financeiro pelo mesmo motivo. Hoje, sua avaliação de mercado é de mais de US$ 20 bilhões.

Os termos da nova rodada de investimentos ainda não são finais, e sua própria existência foi revelada apenas por fontes ligadas à transação. Não se sabe, por exemplo, quem são os investidores nem de que maneira toda a negociação vai funcionar, já que o Didi Kuaidi não se pronunciou sobre o assunto, dizendo apenas que não comenta sobre rumores ou especulações.

Enquanto isso, a empresa já trabalha no fortalecimento de suas atividades. Desde o começo de 2016, a empresa abriu oferta para novos motoristas em diversas cidades chinesas e vem oferendo tarifas atrativas para os usuários, por valores que, muitas vezes, são menores que os do Uber e também dos táxis tradicionais. Além disso, em parcerias com o Lyft e o Ola, a companhia também começa a estender suas operações para, respectivamente, os Estados Unidos e a Índia, também de olho no Uber.

Enquanto isso, o rival americano vem passando por dificuldades para crescer na China. De acordo com declarações recentes do CEO Travis Kalanick, o Uber perde cerca de US$ 1 bilhão ao ano em sua operação no país asiático, justamente devido à concorrência cada vez maior do Didi Kuaidi e mesmo tendo Pequim e outras cidades da nação entre as dez maiores em número de corridas. Na época, o executivo acusou o rival de “comprar market share” por meio das rodadas de investimento, em vez de apresentar crescimento orgânico.

Fonte: Bloomberg