Relatório vazado mostra finanças e planos da SpaceX

Por Redação | 13.01.2017 às 16:21

O bilionário Elon Musk fundou a SpaceX em 2002 e, desde então, a empresa de capital fechado conseguiu manter as suas finanças longe do olhar curioso da imprensa e do público. Mas agora o The Wall Street Journal teve acesso a alguns documentos financeiros que revelam um pouco mais sobre os sucessos e as dificuldades da companhia espacial.

De acordo com o relatório, entre os anos 2011 e 2015 a SpaceX conseguiu um lucro modesto, até que um acidente que resultou na explosão de um foguete Falcon 9 que levava suprimentos para a Estação Espacial fez o caldo entornar. Apesar da receita de quase US$ 1 bilhão em 2015, a empresa perdeu US$ 260 milhões.

No entanto, mais interessante do que os dados financeiros da empresa, o documento vazado nos dá mais detalhes sobre os planos de Elon Musk para o futuro da SpaceX. Dentre as metas do executivo, que ainda é dono de 54% da empresa, estão o lançamento de 27 foguetes em 2017 e 52 foguetes até 2019.

Internet via satélite é a grande aposta

Os documentos também sugerem que Musk está apostando alto no seu projeto de internet por satélite. Desde que a Alphabet investiu US$ 1 bilhão na SpaceX em 2015, a empresa de foguetes vem trabalhando para o lançamento de milhares de satélites que forneceriam Internet a diversos cantos do mundo todo.

O jornal corroborou os rumores de que a empresa espacial planeja formar uma rede com mais de 4.000 satélites de comunicações, o que seria dezenas de vezes maior do que qualquer outra constelação. A primeira fase do projeto deve acontecer já em 2018. A SpaceX antecipa que o negócio de satélites se tornará mais rentável do que o de foguetes em três anos, gerando dezenas de bilhões de dólares em meados dos anos 2020.

Apesar do otimismo, a SpaceX não está sozinha no plano de entregar serviços de internet usando uma rede de satélites. Outras empresas como Oneweb e Boeing também anunciaram planos de fazer sistemas semelhantes no futuro. O Facebook também tentou algo do tipo, mas colocou seus planos em standby após a explosão do primeiro satélite que entregaria sinal de internet em regiões da África – satélite este que, por sinal, estava no foguete da SpaceX que explodiu em 2016.

Fonte: The Wall Street Journal

Fonte: Arstechnica