Projeto está desenvolvendo beacon com tecnologia nacional em Campinas

Por Rafael Romer | 03.05.2016 às 13:31

Um projeto desenvolvido pela empresa especializada em soluções de identificação por radiofrequência (RFID) Taggen, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e com o CPqD, está desenvolvendo o primeiro beacon com tecnologia 100% nacional em Campinas (SP).

A iniciativa para a produção do equipamento, que detecta a proximidade de outros dispositivos para a transmissão de informações de identificação através de Bluetooth, surgiu em outubro do ano passado, após conversas entre o CPqD e a Taggen que detectaram a demanda reprimida existente no Brasil por soluções do tipo.

A expectativa é que o beacon chegue ao mercado já a partir de setembro, pela metade do preço de soluções importadas — graças à amortização do preço de produção, que será divido entre a Taggen, Embrapii e o CpqD.

"Nós vemos grandes chances de ser um projeto de sucesso por ser o primeiro nacional. São tecnologias de ponta com a missão de apoiar a indústria nacional", afirmou ao Canaltech Marcos Sanches, gerente da área de Desenvolvimento de Dispositivos e Sensores do CPqD. "Hoje as empresas precisam importar o que tem no mercado, elas não conseguem fazer a customização do produto da forma que querem, e como a América Latina não tem uma grande demanda comparada com a Ásia, por exemplo, a gente acaba ficando refém do que existe".

A ideia é que os beacons sejam lançados em duas versões: a primeira, prevista para este ano, será mais simples e utilizada para rastreabilidade de produtos em áreas como logística e marketing. A partir do ano que vem, os dispositivos deverão ser carregados também com sensores de temperatura, velocidade, pressão, altitude e luminosidade — o que deverá expandir o número de aplicações possíveis para o beacon.

Além do lançamento da solução, o projeto também foca no suporte técnico local para os beacons nacionais, o que deverá ajudar desenvolvedores a criarem novos usos para a tecnologia, que é tida como um dos grandes vetores da tendência da Internet das Coisas (IoT).