Processo contra o Lyft pode terminar sem mudanças no modelo de negócios

Por Redação | 28 de Março de 2016 às 18h10

Um processo de quase três anos de idade contra o Lyft parece estar próximo do fim, mas não da maneira pela qual os afetados desejam. O juiz responsável pelo caso, Vince Chhabria, da corte do Distrito Norte do estado americano da Califórnia, sinalizou que vai aceitar o fundo de acordo oferecido pela companhia, mas indicou que não deve mexer no modelo de negócios da companhia, principal reivindicação feita pela associação que moveu o processo.

A ideia da Teamsters Union, um sindicato que reúne motoristas que trabalham para o Lyft, é que a operação do aplicativo vai contra as leis trabalhistas. Sendo assim, além de compensações, a ação de classe pede que o serviço passe a tratar seus trabalhadores como funcionários contratados, em vez de independentes, o que envolve também o pagamento de benefícios e a garantia de direitos trabalhistas.

A resposta do Lyft, que deve ser aceita pela corte, é o oferecimento de um fundo de acordo no valor de US$ 12,25 milhões para os 100 mil motoristas afetados. Isso envolveria, por exemplo, seus custos com advogados e também compensação monetária por altas jornadas de trabalho, ausência por enfermidades e outros tipos de questões. A companhia, entretanto, não deseja se ver obrigada a mudar seu modelo de negócios, uma vez que a mudança na categoria de seus colaboradores também geraria despesas extras.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Chabbria, entretanto, discorda da visão de que esse tipo de decisão deve ser feita pela corte. Para ele, o trato dado aos motoristas de aplicativos de transporte é uma questão de legislatura, e não de políticas internas. Para ele, é preciso analisar a lei californiana para saber exatamente de que maneira esses trabalhadores se encaixam, e se preciso for, modificar as normas para que elas melhor se adequem à tecnologia.

Mais do que isso, a mudança na forma com a qual o Lyft lida com seus motoristas pode se tornar um precedente para outros processos semelhantes, como o que vem sendo movido contra o Uber também no estado da California. Sendo assim, a concorrência também acompanha com atenção o andamento da ação, que ainda não tem prazo para receber uma decisão final.

Fonte: PC World

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.