Problema nos servidores da Amazon derruba serviços como Netflix e Apple Music

Por Redação | 01.07.2015 às 10:53

Os serviços online da Amazon podem ser considerados, depois das falhas desta quarta-feira (01), o mais próximo que temos de um “botão que desliga a internet”. No começo da madrugada, centenas de serviços online que dependem dos servidores de cloud computing da gigante ficaram indisponíveis por cerca de 40 minutos, numa falha que teria começado em torno da 0h30, no horário de Brasília.

Entre os afetados, inclusive no Brasil, estavam nomes como a Netflix e o Apple Music, que fazia sua estreia com o serviço de streaming de música e a rádio Beats 1, transmitida ao vivo. Sites e aplicativos para celular hospedados na plataforma Amazon Web Services, como o Pinterest, por exemplo, também foram vítimas da indisponibilidade e os usuários relataram dificuldades para acessar alguns serviços.

O próprio painel de controle do AWS também saiu do ar, o que impediu, inicialmente, que as causas do problema fossem apuradas. Mais tarde, a plataforma foi retornando aos poucos, com a empresa citando problemas de conectividade e falhas em um provedor externo de internet como as causas para a interrupção no funcionamento. Ambas, diz ela, já foram resolvidas no momento em que essa nota é escrita, mas o monitoramento da rede continua para garantir que tudo esteja operando normalmente.

Como o problema aconteceu pouco após o fim do dia, muita gente associou a queda no sistema com a correção do fuso horário que também aconteceu nesta terça. Como forma de sincronizar o relógio da Terra com o do Sol, o dia teve um segundo a mais, introduzido pelo padrão UTC, o que, muitas vezes, não cai muito bem com redes online e outros tipos de serviço, como os financeiros, por exemplo. Mas não era o caso aqui.

De acordo com a Amazon, o problema aconteceu quando um dos servidores externos aceitou uma rota errada para os servidores do serviço de cloud computing, propagando esses endereços para o restante dos usuários e tornando todos os sistemas inacessíveis. O tempo de indisponibilidade foi necessário para que novos caminhos pudessem ser propagados à rede e a companhia disse ter tomado as atitudes necessárias para que a falha não volte a acontecer.

Fonte: Mashable