Presidente da GoPro deve se tornar o executivo mais bem pago dos EUA

Por Redação | 17 de Abril de 2015 às 16h12
Tudo sobre

GoPro

Saiba tudo sobre GoPro

Ver mais

Nada de Satya Nadella, Mark Zuckerberg ou Tim Cook. Na visão da Bloomberg, Nick Woodman, da GoPro, é o executivo mais bem pago dos Estados Unidos. É essa a conclusão de um novo ranking que está sendo lançado pelo veículo, que fará análises diárias do pagamento de cada nome por meio das flutuações do mercado de ações, e colocou o diretor da fabricante de câmeras para o mercado esportivo à frente de grandes nomes do cenário de tecnologia.

Esse título tem a ver com a grande abertura de papeis realizada pela GoPro no final do ano passado. No movimento, Woodman ficou com 4,5 milhões de cotas da companhia, com um valor total avaliado em US$ 284,5 milhões, que só aumentou na medida em que as ações da fabricante registraram altas sucessivas e eram foco de bastante empolgação por parte de investidores e acionistas. Além de estar no topo da cadeia de gerência, ele é um dos fundadores da companhia.

Para a Bloomberg, esse crescimento deve continuar a acontecer, na medida em que os especialistas do próprio veículo continuam recomendando que seus leitores comprem ações da GoPro. Como os relatórios financeiros da empresa ainda não foram revelados – ou seja, ainda não se sabe exatamente qual o salário e as compensações recebidas por Woodman após a abertura de capital –, a expectativa é que esse valor aumente ainda mais e deixe para trás o segundo colocado, Charif Souki e seus US$ 281 milhões como CEO da Cheniere Energy Inc., uma empresa que trabalha no ramo do gás natural.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Outros executivos que se encontram perto do topo são Jay Levine e John Anderson, respectivamente CEO e vice-presidente executivo da Springleaf Holdings, Martin Franklin, diretor da Jarden Corp., e Satya Nadella, CEO da Microsoft.

Falando nisso, a gigante da Redmond não gostou muito da nova análise da Bloomberg, que considerou a avaliação pouco justa. Oficialmente, a empresa de software pagou US$ 84,3 milhões a seu CEO no último ano fiscal, mas para o veículo o executivo recebeu efetivamente apenas metade disso, já que boa parte dos ganhos com ações e compensações serão pagos em parcelas que se estendem até 2020.

A Bloomberg se defende afirmando que sua projeção leva em conta os valores reais recebidos pelos executivos, de acordo com relatórios financeiros e outros dados oficiais revelados pelas próprias companhias. Foi isso, por exemplo, que levou Woodman ao topo, já que, além da gigantesca e valiosa cota de ações, ele leva um salário de US$ 800 mil anuais e bônus de cerca de US$ 1 milhão.

Entram na conta também outras despesas pagas pela companhia, como viagens ou gastos com veículos. Na GoPro, tais números são bastante inflados devido ao próprio caráter da empresa – seu nicho de negócio é o esporte e seu CEO é um atleta nato, que teve a ideia das câmeras resistentes durante uma viagem para surfar. Sendo assim, ele viaja o mundo promovendo seus produtos e efetivamente utilizando-os por aí, em situações que não são necessariamente baratas.

Para a Bloomberg, esse ranking deve flutuar bastante ao longo dos meses, na medida em que novas startups vão ganhando valor, abrindo ações na bolsa e distribuindo-as entre seus acionistas. Dessa forma, novos milionários entram no mercado durante todo o tempo, embolsando muito dinheiro e, como não poderia deixar de ser, movimentando as bases da indústria.

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.